Início Notícias Tecnologia

Máquinas de Famalicão voam para a Ásia

O grupo New Solution Engineering, com a marca Mtex, fabrica equipamentos para a indústria têxtil que estão a chegar a países como o Paquistão.

Máquinas para acabamento têxtil de A a Z. A marca Mtex, do grupo New Solution Engineering, especializou-se neste segmento e tem estado a apresentar novos equipamentos, nomeadamente na área da estamparia. Em declarações ao Portugal Têxtil, à margem da visita do presidente da Câmara de Famalicão, Paulo Cunha, à empresa, o CEO Eloi Ferreira adiantou que no total do negócio, o sector têxtil pesa entre 60% e 70%. O resto, sob a marca New Solution, são máquinas para etiquetas e embalagens. «O principal investimento é na área têxtil, temos a estamparia e todo o acabamento com máquinas de lavagem, vaporizadores, a solução global, podem comprar tudo aqui», afirmou Eloi Ferreira.

O grupo New Solution Engineering está a apostar em força em novos equipamentos, que agora já estampam diretamente em tecido, sem passar pelo papel. Entre os mercados mais interessantes estão a Ásia e o Leste Europeu. «Vendemos para a Eslovénia, Roménia, Hungria, Polónia. O mercado de Leste tem muito investimento têxtil», apontou o CEO. A empresa está também a chegar ao Paquistão e às Filipinas.

Na área das etiquetas, o Japão é um mercado importante. O Brasil pode também trazer oportunidades importantes no futuro, garantiu o responsável. Quanto a Portugal, Eloi Ferreira lamenta que as empresas nacionais prefiram adquirir os seus equipamentos lá fora, nomeadamente a Itália, mas garante que conta com alguns clientes portugueses importantes.

O grupo lançou uma linha de máquinas que pisca o olho aos adeptos de futebol, porque o CEO acredita que devem ter nomes mais sonantes, em vez de um conjunto de números que ninguém decora. A estratégia começou com a Dragon, seguiu-se a Eagle e agora continua com a nova Lion. Estes equipamentos têm um custo entre 120 mil e 190 mil euros, no caso das duas primeiras. A última será apresentada na feira Fespa em Berlim, no próximo mês de maio.

A empresa faturou 14 milhões de euros no ano passado, mas, para 2018, espera duplicar este valor, para um volume de negócios entre 28 milhões e 30 milhões de euros, tendo em conta as encomendas que já tem asseguradas. «Fizemos muitos investimentos internos e criamos valor acrescentado, com novas áreas industriais, isto que aqui existe agora é tudo novo», garantiu Eloi Ferreira.

Eloi Ferreira e Paulo Cunha

Neste momento, o grupo conta com 110 pessoas, mas poderá chegar às 150 ainda este ano. Contratos com a alemã Heidelberg e com a japonesa Konica Minolta são dois dos pilares do crescimento acelerado do grupo.

Mais difícil mesmo é encontrar mão-de-obra especializada. A New Solution Engineering já foi a Lisboa tentar recrutar alunos do Instituto Superior Técnico para a empresa. O presidente da Câmara de Famalicão, Paulo Cunha, acredita que a cidade tem condições para atrair mais jovens qualificados. «No passado, a indústria era um fator que levaria as pessoas a afastar-se, ou seja, não queriam viver nos concelhos onde havia uma grande presença industrial. Hoje é ao contrário, é um grande polo de atração e estamos a ver que conseguimos captar pessoas que não nasceram em Famalicão, para fixar residência aqui, e isso é fantástico, num contexto em que a população decresce, porque há mais óbitos do que nascimentos e só os concelhos que sejam atrativos é que podem continuar a crescer», explicou o autarca.