Início Arquivo

Margiela na H&M

A Maison Martin Margiela é a nova convidada de luxo da H&M para produzir mais uma coleção de parceria. Vestuário e acessórios para homem e senhora assinados pela casa de moda sedeada em França estarão disponíveis a partir de 15 de novembro em cerca de 230 lojas H&M em todo o mundo e on-line. O comunicado da retalhista sueca destaca que o estilo dos produtos estará na linha da moda «conceptual e de estilo intemporal» característicos da Maison Martin Margiela. E segundo a casa de moda de culto, as peças para a H&M vão oferecer «uma nova interpretação da nossa visão. Vamos juntar universos contrastantes das duas casas de uma forma que irá surpreender toda a gente». «A Maison Martin Margiela é uma das casas de moda mais importantes e com maior influência das últimas três décadas», considera Margareta van den Bosch, conselheira criativa da H&M. «Estou muito entusiasmada com esta colaboração, que dará aos amantes de moda em todo o mundo a possibilidade de usarem peças especiais assinadas pela Maison Martin Margiela», acrescentou. O criador belga que está na origem do nome da casa de moda – Martin Margiela – não será, contudo, o responsável pela coleção, uma vez que abandonou a sua marca em 2009. A Maison Martin Margiela é dirigida por Renzo Rosso, dono também da marca de denim Diesel, que adquiriu a casa de moda em 2002. Atualmente, não tem nenhum diretor criativo, estando o design a cargo de uma equipa de criação. A Maison Martin Margiela é mais um nome a acrescentar à lista – já longa – de colaborações da H&M, onde se incluem nomes como Versace, Lanvin, Karl Lagerfeld, Stella McCartney, Comme des Garçons e Marni. A H&M, criada em 1947 e agora gerida pelo neto do seu fundador, tem vindo a debater-se com algumas dificuldades para lidar com o aumento dos custos do algodão e da mão de obra nos últimos anos e foi ultrapassada pela Inditex em termos de vendas. Há uma década atrás, a Inditex era mais pequena que a H&M, mas as suas vendas quadruplicaram para 17,6 mil milhões de dólares (cerca de 14 milhões de euros) no ano passado, enquanto as vendas da H&M triplicaram para 15,5 mil milhões de dólares. A empresa está agora a enveredar por uma nova estratégia para crescer no futuro (ver Dividir para ganhar). Atualmente a H&M tem cerca de 2.500 lojas em 44 países.