Início Notícias Moda

Marques’Almeida apoia artesãos nacionais

O vídeo de apresentação da coleção outono-inverno 2022/2023 da Marques’Almeida mostra a costa atlântica com o intuito de comunicar Portugal e as técnicas ancestrais que ainda hoje perduram pelas mãos de artesões portugueses.

[©Marques'Almeida]

Foi em Viana do Castelo, e com o apoio do Portugal Fashion, que que a Marques’Almeida gravou o filme de apresentação da sua coleção outono-inverno 2022/2023. A piscina das marés, na Praia do Norte, foi o local escolhido pela dupla Marta Marques e Paulo Almeida «para transportar o público para a paisagem dramática e de beleza crua da costa portuguesa», refere.

[©Marques’Almeida]
[©Marques’Almeida]
O vídeo das propostas para a próxima estação fria dá continuidade ao compromisso da Marques‘Almeida em melhorar cada vez mais as suas técnicas de produção e aprovisionamento, de forma a reduzir o impacto no ambiente e levar a marca numa viagem de aprendizagem sobre sustentabilidade.

Os temas incluem uma paleta de cores que vai do preto, roxo e rosa chiclete aos tons ácidos das frutas cítricas. Patchwork e peças tie dye, com os icónicos jeans desfiados, adicionam «uma desobediência sem esforço», enquanto vestidos de rede branca e bordado inglês contrastam «com o oceano azul».

[©Marques’Almeida]
«Os nossos desfiles são sempre uma celebração. A nossa comunidade reúne-se para ser vista e para se apoiarem uns aos outros. Esta estação é particularmente especial porque damos as boas-vindas, à nossa família de M’AKERS, a cinco artesãos e artistas que criaram algumas das peças do desfile. Juntamente com modelos e equipa, reunimo-nos todos neste cenário natural para partilhar uma experiência, fazer conexões reais, sentirmo-nos felizes e celebrar o trabalho que criamos juntos. Se o propósito da Marques’Almeida não for mais do que isso, estamos genuinamente felizes», explica a dupla.

A coleção incorpora peças do projeto M’AKERS, peças esculturais de pesquisa, exclusivamente desenvolvidas por artistas e artesãos portugueses, com o objetivo de «capacitar as comunidades locais e preservar os saberes ancestrais. O patchwork é fundamental, e as escamas de peixe e lapas são usadas como objetos de beleza bordados em peças de vestuário».