Início Notícias Mercados

Marrocos e China na mesma rota

Os dois países assinaram um convénio dentro da estratégia chinesa Belt and Road Initiative para reforçar a cooperação económica e as trocas comerciais bilaterais. No âmbito do acordo, o executivo marroquino compromete-se a apoiar empresas chinesas de vários sectores, entre os quais têxtil, a investir em Marrocos.

O acordo foi assinado pelo ministro dos Negócios Estrangeiros marroquino, Nasser Burita, e pelo vice-presidente da Comissão para a Reforma e para o Desenvolvimento Nacional, Ning Jizhe, numa reunião realizada por videoconferência. A comissão de que Jizhe é vice-presidente constitui o principal órgão de planeamento económico da China.

Entre os principais pontos do acordo figura o acesso de Marrocos aos fundos da cooperação chinesa, no quadro da Belt and Road Initiative (BRI), de forma a facilitar os intercâmbios comerciais e concretizar vários projetos económicos.

Segundo o convénio, o executivo marroquino compromete-se a apoiar grandes empresas chinesas a instalar-se e a investir em Marrocos nos sectores automóvel, aeronáutico, de tecnologia, de comércio eletrónico, agrícola e têxtil. No acordo, ambas as partes também se comprometem a reforçar a cooperação no domínio da investigação tecnológica, energética e agrícola e ainda na formação profissional.

Nasser Burita [©Wikipedia]
Ao intervir na sessão, o ministro dos Negócios Estrangeiros marroquino destacou que a consolidação das relações com Pequim é «uma das prioridades da diplomacia» de Rabat. Nasser Burita congratulou-se com o aumento de cerca de 50% do volume de trocas comerciais entre os dois países nos últimos cinco anos, de 4 mil milhões de dólares (aproximadamente 3,5 mil milhões de euros) em 2016 para 6 mil milhões de dólares em 2021.

O chefe da diplomacia marroquina lembrou ainda que, após a isenção de vistos a cidadãos chineses, em 2016, mais de 200 mil turistas provenientes da China visitaram Marrocos em 2018, número que ultrapassa significativamente os 10 mil registados em 2015.

Por seu lado, Ning Jizhe recordou que os investimentos diretos da China em Marrocos atingem atualmente os 380 milhões de dólares, sobretudo destinados a projetos de infraestruturas, telecomunicações e sector pesqueiro.

Ning Jizhe [©Wikidata]
O responsável chinês sublinhou a necessidade de fortalecer a comunicação entre os dois países para uma implementação «efetiva» do acordo de cooperação e também de dar prioridade aos sectores das infraestruturas, comércio, investimentos, indústria, agricultura, energia, finanças, tecnologia, educação, cultura, desporto e entretenimento.

Com a assinatura do acordo, Marrocos dá início ao compromisso de se integrar na BRI, à qual aderiu em 2017. Lançada pela China em 2013, esta estratégia de desenvolvimento visa aumentar as ligações e cooperação transcontinental, contando já com a adesão de cerca de 140 países.