Início Notícias Marcas

MDS camaleónica

A celebrar os 25 anos em 2016, a MDS está apostada em mostrar o seu lado mais adulto, trocando o sportswear pelo casual-sofisticado. A cereja no topo do bolo pode ser um crescimento na ordem dos 11% no primeiro semestre de 2016, comparativamente ao período homólogo de 2015, com o mercado nacional a dar o melhor sopro para ajudar a apagar as velas.

Com um peso de 70% nas vendas da Mad Dragon Seeker (MDS), Portugal continua a ser o melhor mercado para a marca que se tem vindo a posicionar num novo segmento, apostando em coordenados mais sofisticados e afastando-se gradualmente da pegada sportswear que outrora assinalava a sua presença.

Matérias-primas mais nobres e artigos mais diferenciados nos detalhes são agora as principais apostas da MDS que, este verão, tem como bestsellers os jumpsuits e vestidos na ala feminina e as camisas e polos na ala masculina. «Neste momento, conseguimos ter uma coleção muito mais abrangente e muito mais camaleónica, pois conseguimos criar peças mais versáteis, ou seja, tanto podem ser usadas no dia a dia num look descontraído, como podem ser usadas para um cocktail de uma forma mais formal», afirma Daniel Simões, diretor de marketing da MDS, ao Portugal Têxtil.

Nos canais de vendas, as lojas multimarcas continuam a ser o principal foco, mas estão a merecer uma seleção mais criteriosa para que «a marca esteja nos pontos de venda de referência e ideais para o target que tem vindo a alcançar».

Com um volume de negócios de 500 mil euros em 2015, o corrente ano está já a abrir portas, como um novo corner na Batalha, rodeado de otimismo, até porque, como sublinha Daniel Simões, tem sido possível «mostrar de uma forma mais fidedigna o conceito da marca e paralelamente aumentar a visibilidade da mesma».

Às vendas da MDS vai juntar-se também a rede de franchisados, que está planeada mas aguarda ainda pela abertura de espaços piloto em Lisboa e no Porto para servirem de «suporte ao arranque do projeto», sendo que a inauguração está prevista para dentro de dois anos. Em fase piloto está igualmente o portal online da MDS que, por enquanto, ainda só vende para Portugal.

Já além-fronteiras, um dos mercados-alvo é França, que tem correspondido às expectativas da marca. «O feedback está a ser ótimo, temos recebido dos clientes demonstrações de satisfação, com a qualidade e design do produto, o serviço que prestamos, o serviço de acondicionamento e entregas… Tem sido muito gratificante todo o empenho que colocamos neste mercado», revela o diretor de marketing ao Portugal Têxtil.

A par das terras gaulesas, a MDS tem também distribuição em Andorra e está em negociações com Espanha, Bélgica e Finlândia, mas, observa Daniel Simões, a marca não vai deixar de atender outros países em que surjam oportunidades, como é o recente caso da Finlândia.

Numa vertente de «confirmação e reforço dos mercados», a presença em feiras faz também parte da estratégia da marca a comemorar 25 anos, que em 2017 estará no salão de moda Who’s Next, em Paris.