Início Arquivo

Melhor eficiência, maior lucro

A secagem, seja ela de fibras, fios ou tecidos relaxados, é uma das operações mais consumidoras de energia na área do tingimento e acabamentos têxteis.

A humidade é geralmente tida como um dos mais importantes factores que afecta o processamento de fibras, fios e tecidos. Isto é verdadeiro quer para fibras naturais quer para não-naturais, embora seja mais significativo para as fibras naturais dado seu carácter higroscópico.

O objectivo da operação de secagem é eliminar a humidade da fibra, de modo a que o produto (fibra, fio ou tecido relaxado) possua, à saída da máquina de secar, o teor de humidade ideal.

Cada processo apresenta diferentes requisitos para o teor de humidade quando o produto abandona a máquina de secar. Em alguns processos, como por exemplo a termofixação dos tecidos, o teor de humidade não tem qualquer significado. Nesse processo, o objectivo é retirar antecipadamente a maior parte da humidade e, depois, manter o material a uma certa temperatura superficial durante o período de tempo necessário para assegurar a devida “fixação” do material.

Em outros processos, o teor de humidade do produto à saída da máquina de secar é crítico. Para evitar os problemas causados pelas variações do teor de humidade, a maior parte das empresas tende a sobre-secar o produto, o que constitui usualmente uma opção “segura” do ponto de vista produtivo e qualitativo. Mas isto resulta num esbanjamento significativo de energia. No caso da fibra de lã, por exemplo, para uma humidade entre 10% e 15%, por cada 1% de sobre-secagem desperdiça-se 2% a 3% de energia.

Os processadores sem sistemas precisos de controlo da humidadeon-line efectuam frequentemente uma sobre-secagem de 3% a 4% (ou mais), desperdiçando assim 10% ou maisem energia. Quanto representa para uma empresa 10% de sobre-secagem ao longo de um ano? Certamente muito, já que alguns estudos mostram que a economia de 1% em energia pode equivaler a um aumento de 10% ou mais nos lucros. Apesar de a sobre-secagem ser acima referida como uma opção “segura” numa perspectiva de qualidade do produto, a sobre-secagem pode também causar perdas dessa qualidade: danos nas fibras, problemas de electricidade estática, etc. Além de que se a fibra é vendida com base unicamente no seu peso, está a dar-se mais fibra neste caso!

Existem sistemas de medição e controlo da humidade que permitem manter o teor de humidade do produto à saída da máquina de secar ao nível desejado. Estes sistemas, cujo um exemplo é o sistema de controlo da humidade Drycom da Streat Instruments, monitorizam continuamente a humidade do produto à saída da máquina de secagem e controlam o fornecimento de energia ou a velocidade da máquina de secar, de forma a manter a humidade do produto no nível adequado. Isto permite reduzir a “margem de segurança” a um intervalo mais estreito de níveis do teor de humidade, possibilitando assim significativas economias de produtividade e energia.

Os sistemas Drycom foram inicialmente desenvolvidos para controlar a humidade em fibras de lã desengordurada. Desde então, têm diversificado para outras fibras e processos, estando actualmente a ser instalados em máquinas de secar fibras tingidas, máquinas de secar meadas, linhas de termofixação e máquinas de secar tecidos.

Em resposta aos pedidos das empresas escocesas de vestuário de malha com mais-valias, a Streat desenvolveu recentemente o sistema Drycom Tumble Dryer Controller, que é facilmente adaptável nas actuais máquinas de secar. Assegurando que o vestuário é retirado da máquina de secar precisamente no momento certo, a qualidade do produto (toque e aspecto) é optimizada e as empresas beneficiam de um menor consumo de energia e de uma maior produtividade. Deste modo, os sistemas Drycom constituem uma excelente forma de reduzir os custos de energia, aumentar a produtividade e a eficiência, melhorando assim as vantagens competitivas da empresa.