Início Arquivo

Mercado chinês em rápida evolução

A indústria têxtil e do vestuário chinesa é um dos grandes pilares da economia deste país asiático, com um volume de negócios total que atingiu, em 2001, os 43,9 mil milhões de euros.

Segundo dados estatísticos oficiais, este sector registou uma subida de 15% na sua produção, em termos de valor, com mais de 88 mil milhões de euros em 2002, enquanto as exportações cresceram 14% (para os 45,7 mil milhões de euros) e as importações 4,4% (10,7 mil milhões de euros).

Segundo a Associação Chinesa da Indústria Têxtil, este país assegurou, entre 1994 e 1999, um sexto de todo o comércio mundial de têxteis, sendo desde então o maior fabricante e exportador de artigos de confecção do mundo.

De acordo com dados oficiais, as empresas chinesas produziram em 2002 um total de 8,8 mil milhões de artigos de vestuário, ou seja, mais 8,5% que no ano anterior.

A China conta com 800.000 a 900.000 marcas de vestuário, considerando neste número todos os segmentos e categorias de produtos, que absorvem uma fatia importante (10%) das despesas mensais do cidadão chinês médio.

Aliás, a melhoria do nível de vida nos últimos anos, levou os chineses a preocupar-se cada vez mais com a aparência e estimulando o universo dos produtos ligados a esta vertente, como o vestuário, os acessórios e os cosméticos.

Os habitantes das grandes cidades chinesas, em especial, escolhem as peças de vestuário que lhes permitam transmitir uma imagem de individualidade, fenómeno recente naquele vasto mercado, e que entretanto tem vindo igualmente a ganhar terreno nas regiões rurais.

A referida melhoria do nível de vida deu origem a uma poderosa classe média, que conta com mais de 40 milhões de consumidores, e que vive maioritariamente nas zonas urbanas do Leste da China.

Este “novo” consumidor chinês está mais aberto e receptivo às tendências de moda internacionais, presentes nas grandes revistas de moda internacionais e locais, como aElle,Bazar eFashion China.

A despesa média em vestuário de cada família chinesa, constituída por 3,04 indivíduos, passou de 36,10 euros em 2001, para os 41,25 euros em 2002, representando 6% das despesas anuais.

Outro sinal do rápido crescimento do mercado chinês de vestuário é a dinamização dos circuitos de distribuição, representada na abertura de inúmeras galerias e centros comerciais, além de cadeias especializadas nos vários tipos de vestuário.