Início Arquivo

Mercado de Hong Kong volta-se para a China

O mercado global de vestuário espera-se que melhore um pouco em 2002, de acordo com os expositores e compradores que foram entrevistados este mês na Fashion Week, em Hong Kong. Um estudo feito pela Nielson mostra que 74% dos compradores acredita que o mercado irá manter-se igual ou até mesmo melhorar. Na opinião de 44% dos compradores, o mercado será melhor ou ligeiramente melhor do que o passado ano, já 30% acham que não vai existir nenhuma mudança. Uma pequena maioria de compradores (54%) não esperam uma mudança nos preços, já 16% acreditam que vai haver uma aumento e 3’% prevêem uma diminuição nos preços. Os expositores são mais pessimistas no que diz respeito a uma possível redução nos preços. Não mais do que 52% esperam uma descida, 7% prevêem um aumento e 41% não esperam nenhuma alteração. Os expositores, maioritariamente aqueles que estão sediados em Hong Kong, ainda estão a ser confrontados com os custos de produção. E temem mais ainda a concorrência dos países desenvolvidos. Espera-se que a China seja um dos principais fornecedores nos anos que se seguem, afirmam os compradores internacionais, e segundo estes o fornecimento a partir do norte da China também irá desenvolver-se rapidamente. As empresas sediadas em Hong Kong que investiram em fábricas de vestuário na China também poderão beneficiar do desenvolvimento das relações. Nos próximos anos, as empresas de vestuário sediadas em Hong Kong irão tentar desenvolver as vendas no mercado chinês. Cerca de metade dos expositores planeiam efectuar negócios na China, em parte focando-se no marketing e nas marcas. Eles estão menos interessados em montar fábricas e mais preparados para conseguir vendas directas para o mercado chinês. Aqueles que investiram nas fábricas localizadas na China também tinham como intenção vender os seus produtos na China. Um sinal claro de que os retalhistas chineses estão agora à espera de produtos e marcas de maior qualidade, é o facto de o número de compradores chineses que visitam a exposição ter aumentado 75%.