Início Arquivo

México procura moda

Como parte deste processo, recentemente criou um Consejo Mexicano de la Moda composto por um comité de 24 membros de liderado pela especialista de moda Anna Fusoni e pela diretora da semana de moda do país, Beatriz Calles. E num sinal de que a indústria está a ganhar o apoio do governo, acaba de garantir financiamento para construir um Centro Nacional para Inovação e Moda em Pachuca, a sul da Cidade do México, no final de 2015. A unidade irá ajudar os produtores de têxteis e vestuário na investigação e desenvolvimento de novos produtos com base nas tendências de moda internacionais, na introdução de tecnologias de produção de ponta e ainda na publicação de legislação para ajudar a impulsionar o crescimento da indústria, segundo o presidente da Canaive, Sergio Lopes de la Cerda. Sob a sua liderança, esta equipa também lançou um plano para criar um circuito mais integrado de têxteis, vestuário, calçado, couro e acessórios para ajudar o México a atingir os seus objetivos na moda. A iniciativa é vista como uma arma crucial contra o aumento das importações da China, que continuam a prejudicar os produtores locais num país afetado por um enorme comércio de bens ilegais (considerado mesmo o “cancro do México”), que representa 60% das vendas anuais de vestuário, apesar dos anos de campanhas infrutíferas para o erradicar. O México, contudo, enfrenta uma grande batalha para conseguir cumprir o plano. Os observadores afirmam que o Estado tem de acelerar o investimento para ajudar a formar e desenvolver novos designers para atrair investidores privados. «A indústria precisa de se profissionalizar e o Promexico (o lobby das exportações) tem de dar mais dinheiro para ajudar a levar os designers para o estrangeiro», afirma Jesus Guzman, gestor da marca suíça de luxo Bally. Guzman refere que o Promexico deveria gastar pelo menos 30 mil dólares (22 mil euros) para promover um designer individual em vez dos 6 mil a 10 mil dólares atuais. As marcas emergentes precisam de 500 mil a um milhão de dólares para se começarem a desenvolver, destaca, mas não há investidores dispostos a despender esses fundos. Uma compradora da cadeia de grandes armazéns de luxo mexicanos El Palacio de Hierro concorda que o apoio estatal é fundamental. «O sector da moda tem tentado descolar há 18 anos, mas os designers estão ainda essencialmente a coser», sustenta. «Se o governo não os ajudar, nunca vão chegar lá», acrescenta. O Promexico tem ainda de fazer mais para levar compradores internacionais ao México, destaca a executiva. «É preciso investir para os convidar ou eles não virão sozinhos», sublinha. Num sinal de que as coisas podem estar a mudar, o Promexico estabeleceu recentemente uma parceria com a Fashion Week México para trazer um conjunto de compradores franceses ao país, um esforço que culminou com a seleção de vários criadores que serão promovidos na próxima Semana de Moda de Paris. Alejandro Carlin, Sandra Weil, Alexia Ulibarri e Simple by Trista deverão fazer parte desse grupo. Contudo, os especialistas afirmam que a parceria foi resultado da pressão sobretudo da Fashion Week México, que teve de persuadir o Promexico a envolver o seu gabinete em Paris para o projeto. O Promexico não comenta mas fontes próximas revelaram que o lobby espera aumentar o apoio aos designers no futuro próximo. Cristina Pineda, que detém a marca de luxo Pineda Covalin, considera que os designers têm também de endividar mais esforços. «Os designers têm de se tornar mais responsáveis e melhores empresários», defende. «Mais do que uma designer, tornei-me numa empresária, fazendo tudo desde a contabilidade aos processos legais», explica.