Início Notícias Moda

Milão e a máquina do tempo

Na edição dedicada à primavera-verão 2018, o calendário de moda de Milão entrou na máquina do tempo e viajou até à década de 1990, de onde resgatou algumas tendências-chave. O glamour, o minimalismo e as supermodelos cruzaram a passerelle.

Ainda que, nas últimas estações, a moda já tenha resgatado várias memórias de estilo da década de 1990, na mais recente edição da semana de moda de Milão, o taciturno grunge ficou de fora e o revivalismo preferiu o extrovertido glamour dos “nineties”.

Supermodelos

Os anos 90 foram marcados pela ascensão de nomes como Carla Bruni, Claudia Schiffer, Naomi Campbell, Cindy Crawford e Helena Christensen. As modelos ganharam – e cunharam – o título de “supermodelos”, sendo requisitadas para os desfiles das principais casas de moda internacionais, incluindo a Versace. Há dias, depois de apresentada a coleção primavera-verão 2018 da casa italiana – dominada por saias esvoaçantes e fatos de apontamentos barrocos, com padrões que revisitaram os designs da marca na década de 90 –, as supermodelos que tiveram o auge da sua carreira nessa década desfilaram ao lado de Donatella Versace com longos vestidos metalizados, um dos looks eternizados pela casa. O tema “Freedom”, de George Michael, foi escolhido para banda sonora do desfile que foi também uma homenagem da criadora ao irmão desaparecido há 20 anos.

Logomania

O duplo “F” da Fendi está de volta à passerelle, vindo diretamente dos anos 1990, anunciando uma nova viagem ao universo estético da logomania. O logo intemporal da casa de moda regressou em força aos acessórios.

Leggings

Donatella Versace revelou recentemente que as clientes mais jovens da marca têm procurado as leggings que definiram a silhueta Versace nos anos 90. Para dar resposta a essa procura, a marca relançou a peça na passerelle da primavera-verão 2018. As leggings surgiram ainda na passerelle da Dolce & Gabbana, assumindo-se como uma tendência-chave da temporada. Coloridas e gráficas, depois de algumas temporadas afastadas das luzes da ribalta, as leggings estão em alta nos coordenados femininos da próxima estação quente.

Minimalismo

Tal como o glamour e o grunge – ressalvando que a década de 90 foi pautada pelos opostos estéticos –, o minimalismo foi também porta-bandeira da época. A Jil Sander foi uma das marcas que melhor soube explorar os meandros do minimalismo desta década e, em 2017, a dupla que dirige os destinos criativos da casa, Luke e Lucie Meier, decidiu honrar essa herança. A primeira coleção da Jil Sander desenhada por esta dupla criativa foi ainda um dos momentos da semana de moda de Milão mais partilhados nas redes sociais.