Início Arquivo

Moda e beleza na IX edição do Portugal Fashion

A Alfândega vestiu-se de luzes para receber pela última vez a IX edição do Portugal Fashion . Apesar do frio que se fazia sentir lá fora, o interior da Alfândega transpirava sensualidade e beleza. Para além de vários manequins portugueses, como Evelina Pereira, estiveram também presentes os internacionais Fernanda Tavares, Laura Beigveder e Arnaud Lemaire. O desfile iniciou-se com a Jotex by Luís Buchinho e a sua apresentação de formas descontraídas com um mix de influências entre o sportswear e o espírito romântico. Pelo contrário um jogo entre opostos levou a Concreto by Ana Fernandes, a apresentar as saias de cintura descida com efeitos drapeados de proporções mini, que contrastaram com o exagerado comprimento das calças. Os kimonos semi-transparentes e sensuais, foram outra presença forte. A colecção da Ráfia foi marcada pela discrição e elegância, com formas simples e valorizadas por pormenores decorativos como franzidos ou plissados. Apresentando como inspiração a mulher em férias no Mediterrâneo, a Inspiro by Marco Morgado e Hélder Pinto, dividiram a sua colecção em peças para o dia e peças para a noite. Como resultado, uma silhueta prática e sofisticada. A primeira colecção totalmente masculina, surgiu através de Peter Murray. O algodão foi o eleito para marcar o ambiente positivo e descontraído das comunidades universitárias. Pela Charles, Paulo Cravo e Nuno Baltazar inspiraram-se no universo colonial português, estando as peças estruturadas de forma militar, conjugadas por interiores fluídos e malhas. Foi numa atmosfera tranquila e de lazer, mas chique e discreta, que a Macmoda by Nuno Gama apresentou a sua colecção. Um espírito náutico e elegante, foi reinterpretado por um conjunto de cores clássicas, onde os materiais variaram entre os tecidos técnicos e o algodão. A estilista Dores Ozório, utilizou uma viagem de cruzeiro para se inspirar, criando um look ousado e exibicionista, com comprimentos longos em calças muito largas, saias, macacões e vestidos. Júlio Torcato, pela Lions of Porches desenvolveu uma colecção com uma vertente descontraída, jovem e prática, mas sempre elegante. Augustus um dos mais conhecidos criadores portugueses, propôs nesta edição uma incursão nos anos 60/70. Augustus regressou assim aos chiffons, gazards, sedas naturais, rendas e algodões, destacando-se ainda os folhos (nas saias, blusas e vestidos) e transparências. Por sua vez, Bruno Belloni inspirou-se na Riviera Francesa dos anos 50, revivendo os ambientes dos clubes mediterrânicos. As silhuetas próximas ao corpo e estruturadas, destacam os contrastes coloridos das riscas. A finalizar os desfiles para este dia, esteve Manuela Tojal, que utilizou a noite para se inspirar nesta colecção. Influenciada pela cultura indiana, marroquina e chinesa. As propostas da estilista, evidenciaram uma mulher sensual. A abrir a segunda noite de desfiles, esteve a colecção de Maria Gambina que traduziu cada um dos seus coordenados numa linguagem musical caracterizadora dos nossos dias – o Jazz. Aqui, tal como no Jazz, o velho e o novo confundem-se e o espaço para a improvisação é infinito. Osvaldo Martins preferiu confrontar directamente as tendências actuais, e sob o tema Cheap-Chique apresentou uma colecção com silhuetas agressivas e sensuais. Nuno Tiago, o vencedor do concurso «Novos Talentos Optimus 2001» envolveu-se na atmosfera do filme ”Anjo Azul”, e estreou-se no Portugal Fashion com um jogo de oposições entre o fluído e o estruturado, o rústico e o chique e o masculino e o feminino. Para Katty Xiomara o ambiente típico de uma viagem com destino ao paraíso foi o ponto de partida para a colecção apresentada. Uma sensação de descontracção que é criada precisamente através dos padrões com riscas geometricamente distorcidas e motivos florais exóticos em tons frescos e vibrantes. Paulo Cravo e Nuno Baltazar, sob o imaginário do filme “Maléna”, recriaram o ambiente nostálgico dos anos 40. Esta linha dividiu-se entre o look “garçonne” e o look feminino, inspirados assim, nas duas personagens principais do filme. Sempre com a imaginação que a caracteriza, Ana Salazar apresentou o «Vestuário Fetiche», cuja silhueta é evidenciada pela utilização de materiais que variam entre o algodão, as sedas e as mousselines. Um conceito com influências retro, onde se fundem estéticas de espírito romântico, street e de evening-wear, estiveram na base da colecção de João Tomé e Francisco Pontes. Também na sua primeira participação no Portugal Fashion, Odete Barreiro distinguiu-se pelas suas influências clássicas, desportivas e experimentalistas. A estilistas apresentou uma silhueta elegante e descontraída. Por sua vez, Luís Buchinho optou por contornos geográficos, gerando novos volumes, formas e linhas de contorno do corpo. Quanto a Miguel Vieira, um dos mais reconhecidos estilistas do panorama da moda nacional, distinguiu-se pela perfeita simbiose entre o vestuário e os adereços, onde a modernidade e tradição estão em perfeita harmonia. A terminar a última noite dos desfiles Portugal Fashion, esteve Anabela Baldaque, que agradou ao apresentar uma silhueta fluída e simples composta por vestidos, saias, calças, blusas, alças e decotes que transmitem descontracção e versatilidade. De referir ainda que a cidade da Figueira da Foz vai acolher nos dias 26 e 27 de Abril de 2002, a próxima edição do Portugal Fashion, no seguimento da recente política da organização, segundo a qual das duas edições do certame, uma realiza-se no Porto e a seguinte numa outra cidade do país.