Início Notícias Têxtil

Modtissimo: check-in ao sucesso

O salão de moda descolou e aterrou com segurança no Aeroporto Francisco Sá Carneiro depois de mais uma viagem pelas novidades dos tecidos, acessórios, confeção e moda infantil. Com muitas milhas acumuladas nos salões internacionais, a tripulação da fileira moda nacional fez check-in aos bons negócios no Porto.

Num compromisso que se mantém até 2020, decorrente da vontade dos expositores e da própria ANA Aeroportos, que gere o Aeroporto Francisco Sá Carneiro, o Modtissimo voltou a levantar voo (ver Modtissimo faz a festa).

À 51.ª edição, a organização, da responsabilidade da Associação Selectiva Moda, recebeu aproximadamente 400 coleções e mais de 6 mil visitantes, entre os quais se destacaram algumas centenas de compradores estrangeiros, com particular destaque para os mercados de Espanha, França e Alemanha – como confirmaram os expositores.

Passageiros frequentes

A Coltec está no Modtissimo há 7 anos, a Envicorte há meia dúzia e, em declarações ao Portugal Têxtil, as duas fazem um balanço positivo da edição.

«Tem sido constante, mas é sempre importante estar presente», avalia António Carneiro, sócio-fundador da Envicorte, empresa especializada na confeção de acessórios para vestuário e têxteis-lar.

«O fluxo é mais ou menos semelhante», corrobora Maria Ribeiro, comercial da Coltec, indicando a visita de espanhóis e franceses ao stand da empresa especializada em tecidos laminados e revestidos.

O incremento da qualidade e quantidade de visitantes, assim como o aumento de tempo de permanência na feira em muito contribuíram para o embarque prioritário no Aeroporto Francisco Sá Carneiro uma vez por ano.

«É a única feira no mundo que se realiza num aeroporto em funcionamento. Permite-nos ter uma ponte aérea direta com o resto do mundo e, nesta edição, temos uma parceria com a TAP decorrente do mote “Stopover” que a TAP já tem vindo a publicitar em todos os voos», afirma Manuel Serrão, diretor-geral da feira.

Sérgio Magalhães, comercial da Foot by Foot, foi um dos que deu nota alta à geografia. «Correu muito bem, registámos um fluxo de visitantes maior do que na Alfândega. Há pessoas que vem no mesmo dia e vão embora. Chegam ao aeroporto e nem saem, regressando no mesmo dia», sublinha, afirmando que o propósito da presença da especialista em tecidos laminados e revestidos no certame é mostrar as suas valências.

Num stand visitado por espanhóis, franceses e ingleses, Sebastião Nogueira, CEO da especialista em denim Onewaytex, concorda sobre os pontos fortes da edição no aeroporto. «Tivemos alguns contactos e clientes que apareceram pela primeira vez. Nota-se que os visitantes gostam mais de vir ao aeroporto do que à Alfândega», reconhece.

A Joaps Malhas voltou a prender a atenção dos estrangeiros. «Constatámos a afluência de mais estrangeiros, enquanto portugueses são sobretudo empresas com quem já temos contactos», admite Sara Pinto, sócia da produtora de malhas circulares, que assinala uma forte tendência na indústria. «A economia circular foi uma grande tendência aqui, tal como vimos noutras feiras internacionais que temos feito», frisa.

Batismo de voo

Do lado da confeção e do vestuário infantil vários expositores tiveram o seu batismo de voo nesta edição. Em estreia no salão esteve a Happy Cassy, empresa de importação e distribuição de pronto-a-vestir feminino sediada na Amadora que fez escala no Porto para apresentar os seus serviços aos visitantes do Modtissimo.

«Fizemos questão de estar presentes, temos clientes de Norte a Sul do país», revela a CEO Sandra Azevedo, que pondera abrir um segundo showroom da Happy Cassy a Norte.

Também debutante, a Blake, marca de vestuário infantil unissexo, aterrou no Modtissimo depois de ter viajado pelas feiras internacionais da especialidade. «Conseguimos convidar todos os nossos clientes estrangeiros para virem cá e tivemos no stand visitantes franceses e ingleses», conta Mariana Santiago, fundadora e sócia gerente.

Apenas pela segunda vez na lista de expositores, a TMR Fashion Clothing regressou ao Modtissimo com o otimismo em alta, muito graças à localização. «Muitas pessoas entraram e saíram por aqui, o que as fez passar pelo nosso stand duas vezes e, por conseguinte, parar e entrar», observa Miguel Máximo, gestor de qualidade e comercial da confeção de base familiar nascida em 1997 em Guimarães.

Os recrutadores

Presença assídua no Modtissimo nos últimos 10 anos, Tânia Mutert de Barros, representante da Messe Munich em Portugal, reconheceu o impacto do salão no alavancar da internacionalização das empresas portuguesas.

Cristina Motta, Tânia Mutert de Barros e Hans H. Walter

«O aumento dos expositores na feira de Munique tem muito a ver com a presença no Modtissimo», acredita, recordando ainda a goleada portuguesa no fórum Textrends da Ispo (ver Portugal marca pontos na Ispo). «Já fui abordada por quatro potenciais expositores para a próxima edição da Ispo Munich», acrescenta.

Tendo entrado em 2018 na Heimtextil e lado a lado com a comitiva portuguesa (ver Heimtextil: o barómetro dos têxteis-lar), Cristina Motta, representante em Portugal da Messe Frankfurt, reconhece também o papel incontornável do Modtissimo no networking entre expositores e entidades organizadoras. «O Modtissimo é o ponto de encontro da indústria têxtil», assegura.

Num balanço «muito positivo» da 51.ª edição do Modtissimo, onde promoveu os salões Gallery e Gallery Shoes, num apoio prestado à Igedo, o representante da Messe Düsseldorf, Hans H. Walter, fala de obrigatoriedade. «Aqui encontramos parceiros ou futuros parceiros, pelo que a nossa presença é quase obrigatória», realça.

Os premiados

O Modtissimo serviu também de montra aos produtos inovadores com o iTechtStyle Showcase – Textile Innovation and Business Platform, um espaço desenvolvido em parceria com o Citeve.

A presença no espaço é decidida com base num processo de seleção que obriga ao cumprimento de critérios pré-definidos e, depois da admissão, as empresas tornam-se também candidatas ao prémio iTechstyle Awards, entregue pelo Citeve. À edição concorreram no total 80 artigos, divididos pelas três categorias a concurso: Produtos – 17; Tecidos – 30 e Acessórios – 33.

Conhecidos ontem, na categoria Produtos, os finalistas dos iTechStyle Awards são a Barcelcom com uma meia de compressão localizada com eletrónica integrada para estimulação neuro elétrica transcutânea; a Oldtrading com um conjunto para praticantes de desportos expostos a fortes impactos e alta tenacidade; a P&R Têxteis com um cobre-sapatos ultraleve destinado à prática de contrarrelógio e a Têxteis Penedo/Sedacor com uma almofada e cortina construídos com fio cork-a-tex (algodão e cortiça).

Na categoria de Tecidos são finalistas aos iTechStyle Awards a LMA com uma malha com efeito barreira contra radiações eletromagnéticas; a Têxtil António Falcão com uma malha com várias funcionalidades e para aplicação no desporto e a Têxteis Penedo com um tecido com propriedades de termorregulação e aplicação no habitat.

Teresa Silva, Fernando Ferreira e Beatriz Ferreira

O Grupo Bordados Oliveira concorre na categoria Acessórios com um bordado combinado com as técnicas de impressão digital, flex espelho e bordados fuwari e com um estampado combinado com as técnicas de gravação a laser, foil, floco, flex, flex de impressão, flex refletor, gelinho e a YKK Portugal com um fecho invisível e com funcionalidades de limpeza rápida e repelente à água.

Os vencedores serão conhecidos no iTechStyle Summit’18, evento que se realiza na próxima semana (de 28 de fevereiro a 2 de março) no Terminal de Cruzeiros do Porto de Leixões. «Estamos com as expetativas elevadas», confessa Teresa Silva, promotora do evento organizado pelo Citeve e com a coordenação cientifica do Centro de Ciência e Tecnologia Têxtil (2C2T) da Universidade do Minho. «É outro evento a não perder», garante o diretor do 2C2T, Fernando Ferreira.