Início Notícias Marcas

Mulheres integram clã Torcato

No início da carreira, o criador nacional incluía nas suas propostas peças dedicadas ao guarda-roupa feminino mas, com o passar dos anos, o foco passou a incidir nos coordenados de homem. Todavia, e para gáudio de todas quantas seguem o seu trabalho, na passerelle da última edição do Portugal Fashion, Júlio Torcato oficializou o regresso da mulher ao seu universo criativo.

Identidade, mobilidade e modernidade – partiria destes três eixos a coleção outono-inverno 2016/2017 de Júlio Torcato que, nessa estação, vestirá homens e mulheres com igual força. «Criámos uma mulher forte, na linha do homem, penso que elegante, também, é uma mulher cosmopolita, acho que é uma mulher internacional, de personalidade forte», resume ao Portugal Têxtil Júlio Torcato sobre uma linha de vestuário de senhora que já havia sido anunciada na edição primavera-verão 2016 do evento (ver Coliseu ao rubro). «Fizemos esse teste na última estação e correu bem, houve muitos pedidos, também, e decidimos alargar nesta coleção», acrescenta sobre as peças que foram também motivadas pelos constantes pedidos das seguidoras da marca.

A história da coleção do criador bebeu inspiração nos «“Clans” [escoceses], o kilt era uma peça-chave e houve muitas variações à volta disso, pensadas para um ambiente muito urbano e fashion», revela o designer sobre os coordenados que refletiram uma interseção entre os géneros. «Temos homens com calças muito largas, como se fossem saias, há aqui uma ambiguidade entre o masculino e o feminino. Mas é sempre tudo muito assumido. São homens com identidade e assumidos», explica.

A coleção, que abriu o primeiro dia de desfiles no Porto, no espaço do CEIIA – Centro de Excelência para a Inovação da Indústria Automóvel (ver Crónica de um inverno anunciado), foi deliberadamente marcada pelo cruzamento do sporstwear, industrial wear e formal wear, em azul-marinho, preto e bordeaux, num clã urbano reinterpretado com denim e riscas clássicas, tartans, transparências e lãs. «99% dos tecidos utilizados são portugueses. Temos ótimos fabricantes em Portugal», sublinha ainda o criador nacional que no passado mês de fevereiro participou Mercedes-Benz Fashion Week Madrid.

Sobre a experiência no certame do país vizinho, Júlio Torcato mostra otimismo e vontade de regressar. «Madrid correu bem, sobretudo a nível de imagem e de imprensa, em resultados comerciais não. Porque não é visível ainda, alguns contactos, mas coisa muito pouca», destaca o criador, salientando, porém, que «estas coisas requerem um pouco mais de assiduidade».

E, numa presença envolta em novidades, o criador conhecido pela sua alfaiataria de estética minimalista anunciou nos bastidores de moda erguidos no CEIIA outra boa-nova, «a abertura, brevemente, de um atelier no Porto», um dos passos dados no futuro que procura a expansão dos mercados da marca em 2016, motivada pela dispersão do seu “clã” feminino.