Início Arquivo

Não é uma marca, é um estilo de vida

Há mais de 100 anos que a Camper surpreende o mundo com os seus produtos e mensagens. A Camper não é um sapato, não é um produto, é um estilo de vida, uma filosofia que trespassou fronteiras. É também um design que não cede às tentações do mercado. Este é o espírito empresarial da Camper, que defende o valor da marca, guardando também, através de precisas opções de marketing, a identidade do produto. “Para a Camper é essencial garantir a máxima integridade da marca”, explica Dalia Saliamonas, responsável pelo marketing mundial da marca. «O nosso desejo é manter uma personalidade diferente, mas coerente, sem nos tornarmos numa marca de tendência. Por isto é fundamental o trabalho do gabinete de estilismo e do laboratório de criação de San Forteza, em Maiorca, onde se desenvolvem as novas linhas de uma colecção, que em trinta anos decidiu não mudar de modo explosivo, mas elevar a produção com uma distribuição diversificada de acordo com o mercado”, diz Saliamonas. Por outro lado, a Camper quis reflectir na Internet, com a Loja Camper e-Shop, a experiência e as sensações que têm os seus clientes quando visitam uma loja física da marca. Além disso, o site provoca experiências conceptual-interactivas, correspondentes aos modelos-emblema da marca. Agora a empresa maiorquina inicia uma nova caminhada transportando os seus valores para o mundo da hotelaria através de dois projectos inovadores: hotéis CasaCamper e gastronomia FoodBall. No caso da Casa Camper, a marca optou por uma estratégia bem direta: não só o nome foi usado no hotel de Barcelona, mas também as cores da marca, vermelho, verde e branco, decoram os 25 quartos. Maiorca é a próxima localização da Casa Camper. Entretanto, no que diz respeito à alimentação, a Camper adoptou a mensagem «Somos aquilo que comemos»: um conceito inovador baseado na comida de verdade, da terra à mesa Guillem Ferrer e Javier Bonet chefiam uma jovem equipa que quer oferecer uma alimentação de qualidade, saudável, equilibrada, a um preço razoável, e adaptada às necessidades da vida actual. «É simples, ligeira, natural, sem aditivos, pesticidas, fertilizantes químicos ou manipulação genética, é local, da época e fresca», dizem. Na base estão bolas de arroz recheadas de frango, grão, feijão, algas, anchovas, legumes, cogumelos… ou doces de tâmara, fruta ou alfarroba, que podem ser acompanhados de molhos e até comidos com as mãos. As doses servem-se em embalagens de matéria vegetal cem por cento biodegradáveis. Como complementos há sopas, frutos secos, frutas, sumos naturais, leite de cereais, cerveja de cânhamo… tudo alimentos elaborados com ingredientes de origem natural. O primeiro estabelecimento do género abriu no bairro El Raval de Barcelona, e alguns meses depois, em Berlim. «Não é um bar nem um restaurante, é uma comida diferente e, portanto, serve-se num espaço diferente, podendo optar-se por comer aqui ou onde apetecer», concluem os mentores. O espaço, desenhado por Martín Guixé – com critérios de bio-construção, onde se utilizaram materiais não contaminantes e energias renováveis – divide-se em três partes distintas: a cozinha com confecção à vista, um balcão onde se observa e se escolhe o que se vai comer, e uns bancos corridos para sentar… ou deixar a bicicleta, enquanto se vê um vídeo com imagens da natureza e se escuta a som do mar «Caminha, não Corras». Nas paredes estão pintadas diversas mensagens que informam sobre o projecto, as diferentes possibilidades de combinação dos alimentos expostos, a qualidade da água, a origem dos produtos. Camper é uma empresa familiar maiorquina, dedicada à fabricação e comercialização de calçado, que se distingue pelo seu alto nível de internacionalização. A estratégia de internacionalização consistiu na abertura de lojas próprias, mas às vendas nas lojas próprias, devem-se somar as que se produzem nas lojas multimarca, com mais de 3.900 pontos de venda em todo o mundo. O valor das vendas no exterior alcança 70% da facturação total da empresa. A empresa, na quarta geração, tem as suas origens em Antonio Fluxá, um artesão do calçado que viajou de Maiorca para a Inglaterra, em 1877, para conhecer as últimas tendências no design e nos sistemas de produção de calçado. Desde então, a empresa distinguiu-se sempre pela sua capacidade inovadora e por ter sido capaz de combinar com êxito design e funcionalidade.