Início Arquivo

Negociações para salvar fábricas da Levi’s

As tentativas de suspensão de duas fábricas da Levi Strauss na Escócia ameaçadas de encerramento e de perda de quase 650 postos de trabalho parecem ter falhado, apesar da empresa afirmar estar disposta a considerar todas as opções. De acordo com uma reportagem no jornal The Times, John Reid, o Secretário da Irlanda do Norte e MP da Hamilton North and Bellshill, e Michael MacMahon encontraram-se com o fabricante de “jeans” para o tentar persuadir a mudar de atitude. «Os números são bastante animadores e segundo me parece até ao momento nada de substancial mudou,» afirmou Alan Christie, vice-presidente da Levi’s. Christie acrescentou ainda que «nós estamos a tentar conservar uma mente aberta e ver todas as possibilidades». Sob ameaça está uma fábrica de costura em Dundee e uma de acabamentos em Hamilton. Reid afirmou que «todos temos o mesmo objectivo – tentar e ter a certeza de que o encerramento não pode ser evitado e que se as perdas de postos de trabalho se tornarem inevitáveis, que os indivíduos e suas famílias tenham boas oportunidades de encontrar novo emprego e formação.» Mas nem tudo são problemas na vida da Levi’s. “Odyssey” é a nova aventura publicitária da Levi’s Engineered Jeans (LEJ) – a marca que inventou os “jeans” através da particularidade das suas costuras torcidas -, e que tem os ingredientes necessários para se transformar num dos pontos mais altos da criatividade publicitária de 2002. Para Frederik Carling, gestor de marca das LEJ para a Europa, Odyssey é «um claro exemplo de quando o desejo criativo e o desejo comercial se juntam num só». Com realização do britânico Jonathan Glazer, os 60 segundos de “Odyssey” não parecem um anúncio, mas sim uma micro-metragem. Em relação aos custos do anúncio, «não posso revelar quanto custou esta campanha, mas adianto que existem muito poucas marcas, actualmente, a fazer anúncios televisivos de um minuto (em média, 60 segundos, a preços de tabela, custam, em Portugal 11.500 euros)». A estreia está marcada para Portugal e mais oito países em simultâneo para 21 de Fevereiro. As LEJ foram lançadas na Primavera de 2000 nos EUA, Europa, Japão e Austrália. «Durante muito tempo, tanto para jovens como para adultos, o modelo Levi’s 501 foi sinónimo da nossa marca. Estávamos orgulhosos disso, mas acreditávamos que tínhamos muito mais para oferecer, muito para crescer, sobretudo no segmento dos jovens consumidores, para os quais não havia nenhuma oferta específica», explicou o responsável da Levi’s. Carling refere ainda que comparando com o desempenho do primeiro ano de existência da Diesel, as LEJ representam, actualmente, o dobro do mercado do concorrente. «Temos sido muito bem aceites pelos jovens, sobretudo no segmento mais “fashion forwarded”, e de facto este era o objectivo das LEJ. Não pretendíamos que fosse um sucesso geral, mas sim na camada mais jovem dos nossos consumidores.»