Início Arquivo

Negócios em crescimento

O workwear (vestuário de trabalho) e o corporatewear (vestuário de imagem) são, no geral, completamente diferentes de outros tipos de vestuário – não na maneira como são construídos, mas na maneira como são vendidos. Para 25% da população dos países desenvolvidos, o que as pessoas vestem para trabalhar é o que seus empregadores lhes deram. No relatório da Just Style, denominado de "Relatório do Mercado Global de Workwear – Previsões até 2012", estima-se que o mercado do workwear ascendeu, em 2005, cerca de 4,241 mil milhões de dólares, com 128 milhões de compradores por todo o mundo, e aos quais é dada uma média de 2,9 peças de vestuário por o ano. A corporatewear tem, por outro lado, uma imagem mais pesada, que se reflecte nos seus valores de mercado, cifrado em 9,367 mil milhões de dólares, com 209 milhões de compradores no mundo inteiro, e aos quais é também dada uma média de 2,9 peças de vestuário por ano. Mas, enquanto o sector tradicional do workwear tem vindo a sofrer, uma vez que em diferentes países as bases industriais continuaram a diminuir, o corporatewear floresceu no mundo desenvolvido, quando o mercado de trabalho se começou a privatizar, tornando-se num serviço mais completo e mais preocupado com a imagem.

Crescimento até 2012

Em dólares, o Just-style estima que o mercado mundial do workwear ascenderá, até 2012, a 4,585 mil milhões de dólares. Esta previsão surge na sequência de um estimado número de 142 milhões de compradores de workwear no mundo, a quem é fornecida uma média de 2,9 peças de vestuário por ano – o que não será em nada diferente de 2005. O valor médio de cada peça de vestuário será de 11,27 dólares, que é ligeiramente inferior a 2005. Para 2012, o Just-style estima que o mercado do corporatewear cifrar-se-á em 9,872 mil milhões de dólares. Tal previsão resulta da existência de uns estimados 240 milhões de compradores de corporatewear em todo o mundo. A cada um será dada uma média de 3,2 peças de vestuário por o ano.

Diferenças geográficas

O mercado é também muito diferente em termos geográficos, com a percentagem de empregados especializados em workwear e corporatewear a rondarem os 16% na América do Norte e 1% no resto do mundo. No entanto, as estatísticas relativamente ao volume, contam uma história diferente. A Ásia detém 43% do volume do workwear no mundo, por exemplo. Com efeito, o relatório do Just-Style prevê que o crescimento dos gastos por pessoa, até 2012, seja especialmente forte na Ásia e na América Latina. O mercado global prevê um crescimento de cerca de 8,1% entre 2005 e 2012, com a Ásia a apresentar um gigantesco salto de 60% e a América Latina um substancial aumento de 45%. A América do Norte, por outro lado, testemunhará somente um pequeno crescimento. Além disso, o mesmo relatório anuncia uma estagnação no mercado europeu. Os maiores vencedores serão a Índia e a China, de acordo com as previsões do Just-Style, enquanto que os maiores perdedores serão os mercados maduros de Europa Ocidental. Isto é crucial, segundo afirma o relatório. Com efeito, o relatório acrescenta que as empresas que operam nos mercados desenvolvidos devem considerar se há aí crescimento suficiente a longo prazo, porque o retrato do momento sugere que o potencial do workwear está a desenvolver-se em toda a parte. «As projecções sugerem que o mundo desenvolvido é um mercado maduro tanto para o workwear como para o corporatewear», sublinha.Roupas básicas do workwearO crescimento é previsível inicialmente para as peças de vestuário mais básicas do workwear, e somente mais tarde se tornará evidente no corporatewear. Isto porque o crescimento do mercado tem, naturalmente, em conta a percentagem dos empregados a quem é dado workwear e o preço que seus empregadores estão preparados a pagar a fim de promover a imagem da empresa. O Just-style acredita que as empresas no mundo acabarão por se render ao conceito de corporatewear incorporado, mas que este será um processo gradual, com o primeiro passo a ser dado através da compra de workwear básico como um benefício de emprego.

Oportunidades

A pergunta é a seguinte: onde é que isto leva as empresas que têm já estabelecido os negócios do workwear e do corporatewear no mundo desenvolvido. As experiências de determinadas empresas de corporatewear sugerem as seguintes:

  • As pequenas e médias empresas podem perseguir um produto ou uma indústria especializada
  • As empresas de tamanho médio devem concentrar-se na liderança em termos de design e na imagem de valor acrescentado.
  • As grandes empresas devem ir mais além em termos globais, introduzindo no mercado as suas marcas.

Além disso, as empresas destacaram que existem oportunidades através da parceria com fornecedores locais quando publicitam o corporatewear. «Estes parecem ser particularmente atractivos na China, Índia e em alguns países do Médio Oriente», afirma o relatório. Na sua globalidade, o vestuário profissional parece ser um sector saudável e no qual vale a pena apostar, mas o sucesso de uma empresa individual depende de onde está sedeada, nos seus canais de distribuição e onde as peças de vestuário são distribuídas. Além disso, aqueles que pensam em aproveitar as oportunidades do sector devem usar o seu marketing para persuadir os países desenvolvidos sobre os benefícios da imagem incorporada.