Início Arquivo

Next comedida em 12/13

Na sequência do anúncio de previsões mais modestas em termos de vendas e lucros no próximo exercício, as ações da Next caíram quase 4%. «Os nossos orçamentos internos para o próximo ano mostram um crescimento modesto no total das vendas da marca Next, com lucro antes de impostos apenas ligeiramente acima neste ano», anunciou a retalhista. Os analistas da Numis cortaram em 3% a sua previsão de lucro para 2012/13, para os 574 milhões de libras. O diretor-executivo Simon Wolfson revelou que a crise da dívida da Zona Euro começou a ter um impacto negativo no comportamento dos consumidores no Reino Unido. «Temo que a situação económica subjacente seja ligeiramente pior do que era em setembro e a única coisa que realmente mudou é a situação na Europa», acrescentou Wolfson. Dando início à temporada de divulgação de resultados do retalho após o período de Natal no Reino Unido, a Next, que tem uma política de longa data de nunca entrar em saldos antes do Natal, referiu que as vendas totais, com exclusão do imposto sobre as vendas (IVA), subiram 3,1% em termos anuais no período de 1 de agosto a 24 de dezembro. Este valor encontra-se em linha com as previsões dos analistas de um aumento de 3% a 4% e um aumento de 3,3% no terceiro trimestre. As vendas nas suas mais de 500 lojas no Reino Unido e na Irlanda caíram 2,7%, mas este desempenho foi compensado por um salto de 16,9% nas vendas no seu serviço Next Directory de compras à distância. A Next afirmou estar dececionada com as vendas em novembro e dezembro, período em que os desafios macroeconómicos e os elevados níveis de desconto dos retalhistas concorrentes afetaram os resultados. Wolfson indicou que os descontos nos rivais foram os «maiores que eu já vi». Os rendimentos disponíveis dos britânicos estão a ser pressionados pelo aumento dos preços, congelamento do crescimento dos salários e medidas de austeridade do governo e, com o desemprego no nível mais alto dos últimos 17 anos, a confiança atingiu o nível mais baixo dos últimos 34 meses em dezembro. Com o crescimento das perspetivas sombrias no retalho aumentam os receios de uma onda de incumprimentos, equivalente à que viu a Woolworths abrir falência em 2008/2009. Um conjunto de retalhistas de menor dimensão entrou em incumprimento ao longo do período de Natal, incluindo a loja de brinquedos Hawkins Bazaar e a cadeia de moda D2 Jeans, depois da renda trimestral ficar em dívida no final de dezembro.