Início Notícias Moda

Nova movida em Tóquio

Tóquio é, para os amantes de moda, um destino repleto de inspiração, da arquitetura às paisagens naturais, passando pelo talento emergente de design. Nas últimas estações, a cidade abraçou novas tendências, como o revivalismo de marcas clássicas, e abriu portas a novos pontos de retalho.

A capital japonesa é um verdadeiro caldeirão de estilos e ainda que muitos dos seus designers estejam a deixar-se levar para a vizinhança de Seul como a mais recente inspiração, a semana de moda de Tóquio tem sabido manter a sua posição como a principal montra da moda da Ásia. O forte pendor comercial e a aposta clara no streetwear continuam a ser as suas mais-valias.

Todavia, é bem mais pela rua, que funde street style com espaços de retalho, do que pela passerelle, que Tóquio apaixona a comunidade moda internacional.

O lugar do estilo de rua de Tóquio na moda, design e arte é incontornável, analisando os trajes góticos do bairro de Harajuku, das princesas kawaii e, claro, dos seguidores de Yohji Yamamoto e Rei Kawakubo.

A abundância de lojas conhecidas como zakka-ya, expressão traduzida para “lojas de bens diversos”, é já uma realidade familiar para muitos turistas, mas a designação acaba por ter uma definição mais ampla, resumindo um estilo de vida no qual o encanto estético do inventário provém da sua utilidade. Este é um género de retalho que o Japão transformou numa verdadeira forma de arte e os seus equivalentes ocidentais são escassos.

Além disso, Tóquio alberga também alguns dos espaços arquitetónicos e pontos de retalho mais dinâmicos de marcas de luxo internacionais, como a Prada ou o Dover St Market.

No horizonte das camadas mais jovens de consumidores nipónicos, ergue-se agora um conjunto de novas tendências, captadas pelo portal WGSN.

Regresso aos clássicos

Dentro dos guarda-roupas dos jovens japoneses destaca-se atualmente a preponderância de marcas clássicas de malhas, muitas delas americanas.

Artigos da Champion, Healthknit, Hanes e Gildan podem ser encontrados em qualquer loja vintage, mas também em grandes armazéns.

Aposta na cor

Dentro das malhas, a cor é um dos critérios de seleção, com a juventude nipónica a privilegiar tons de rosa, lilases e neutros como o champanhe e o bege.

Silhuetas soltas e sobreposições

Nas silhuetas, o fitting largo é o favorito e o jogo de sobreposição tem conquistado muitos adeptos. Os casacos inspirados no menswear, como os blusões de denim da Levi’s, são um dos pilares atuais dos guarda-roupas das millennials nipónicas.

Retalho em ebulição

Na cena do retalho, os espaços da Journal Standard, que se estende por três andares com womenswear e menswear de pegada adolescente, e do conhecido Dover St Market, são os mais populares.

Já a X-Girl, voltada para os millennials e membros da geração Z, originalmente fundada por Kim Gordon em Nova Iorque, foi reavivada pela filha da artista com os trendsetters de Tóquio em mente. A marca colaborou recentemente com Yayoi Kusama e com a Playboy.

Centrada no lifestyle, a proposta da H Beauty and Youth tem por base conceitos em vez de marcas e a Beams dedica dois andares a uma mistura eclética de feminilidade japonesa urbana.