Início Notícias Tendências

Novas gerações, velho algodão

A mudança de interesses e preferências entre os consumidores mais jovens tem vindo a colocar novos desafios à indústria do algodão. À medida que os membros das gerações milénio e Z se transformam em consumidores de pleno direito, as empresas vão precisar de estar atentas às suas exigências.

Como uma das maiores gerações da história, os millennials, que nasceram entre o início dos anos 1980 e a viragem do milénio, são a primeira geração verdadeiramente digital e poderão chegar aos 17 milhões no Reino Unido em 2019. Como tal, as suas expectativas são muito diferentes das gerações que os precederam, como a geração X e a baby boom, analisa o Just-style.

São reconhecidos como cidadãos do mundo, tecnicamente habilidosos, cívicos e conscientes sobre temas relacionados com a saúde, sociedade, economia e meio ambiente.

Os membros da geração Z, que agora se aproximam da maioridade, representam atualmente mais de 23% da população do Reino Unido e estão preparados para ser um grupo ainda maior do que os millennials.

Tendo crescido completamente imersos no mundo digital, têm ainda uma enorme influência nos padrões de compra dos seus pais. Além disso, esses jovens consumidores são pragmáticos quanto ao dinheiro e preocupam-se muito com a autenticidade.

Os dois grupos têm vários traços em comum, mas só alguns afetarão de forma particular a indústria do algodão.

Acesso à informação

De acordo com a empresa de pesquisa Brookings Institution, além do acesso à informação online com a democratização do acesso à Internet, os millennials tendem a ser a geração com mais nível de educação da história ocidental. A geração Z deverá seguir-se. Esses consumidores colocam um grande peso na transparência, ouvem os influenciadores, leem opiniões nas redes sociais e acreditam muito mais no “boca a boca” do que na televisão. Por outro lado, são pouco leais às marcas.

Além disso, apreciam tecnologias inovadoras. Como a primeira geração a crescer na era digital, os millennials mostram-se 2,5 vezes mais propensos a adotar uma nova tecnologia.

Saúde e bem-estar

Existe uma aproximação entre millennials e z’s no que diz respeito à saúde e ao bem-estar.

Amantes do exercício físico e de uma alimentação saudável, as novas gerações de consumidores exigem peças de vestuário com propriedades de performance, que sejam confortáveis e, ainda assim, esteticamente apelativas.

Os avanços nas tecnologias de produção têm procurado responder a essas exigências cruzando o conforto do algodão com características de durabilidade, absorção e evaporação.

O Real Cool Cotton da Delta Galil é um algodão inovador que permite uma evaporação significativamente mais rápida do que a do algodão convencional. A tecnologia permite aumentar a capacidade de absorção do tecido, além de transferir humidade para a superfície, para que possa evaporar mais rapidamente.

Sustentabilidade e responsabilidade social

Os millennials e os z’s representam, em última análise, um novo tipo de consumidor. Tentam ser responsáveis no que compram e esperam o mesmo das empresas.

Por isso, procuram empresas que se comprometam com a sustentabilidade e outros pressupostos éticos e ambientais, bem como com a inclusão social.

Na verdade, o Millennial Study de 2016, realizado pela Deloitte, revela que 56% dos entrevistados evitam as organizações cujos valores estejam em conflito com os seus. Já 87% acreditam que o sucesso de uma empresa é muito mais do que o seu desempenho financeiro.

No entanto, apesar dos esforços da indústria, a produção de algodão ainda requer grandes quantidades de água.

Estima-se que se o ciclo de vida de uma peça de algodão puder ser estendido nove meses, o desperdício de água pode ser reduzido em 5% a 10%. É por isso imperativo que, no futuro, as empresas se concentrem no desenvolvimento de tecidos de algodão mais duráveis.

Inovações como o Real Lasting Cotton, também da Delta Galil, por exemplo, preservam tecidos de algodão e fazem com que estes pareçam novos depois de várias lavagens.

O algodão é uma fibra natural e sustentável que terá sempre lugar na indústria da moda. Os jovens consumidores procuram produtos que adicionem ao conforto reconhecido ao algodão, funcionalidade e ciclos de vida mais longos.