Início Arquivo

Novas vias de consumo – Parte 2

Ao longo da primeira parte deste artigo (ver notícia no Portugal Têxtil) foram analisadas as tendências dos consumidores japoneses para a utilização do telemóvel como meio para realizar a aquisição de produtos. Nesta segunda parte, serão analisados os aspectos tecnológicos que, estando associados a este meio, facilitam e fomentam a realização o consumo.Funções avançadasO Japão é o pioneiro nos telemóveis de terceira geração (3G), os quais permitem funções como navegar na Internet e realizar compras on-line, assim como efectuar pagamentos instantâneos. O Japão tem mais de 100 milhões de subscritores de telemóveis numa população de 127 milhões, dos quais dois terços optaram por telemóveis de terceira geração.De acordo com Jeffrey L. Funk, que realizou trabalhos de investigação nesta área, existem diversos serviços que serviram para incentivar o mercado das compras por telemóvel no Japão entre 2001 e 2003, funcionalidades estas que na altura não estavam disponíveis nos mercados Ocidentais. De acordo com Funk, o mercado de compras por telemóvel que apresenta um crescimento mais rápido envolve a integração de sítios de Internet dedicados ao acesso por telemóvel com outros media, tais como revistas e programas de rádio e televisão, servindo estes media para compensar os diminutos ecrãs dos telemóveis.Funk refere que o facto do Japão utilizar e-mail por telemóvel em vez das tradicionais mensagens SMS permite aos comerciantes, como os retalhistas de vestuário, abordarem facilmente através de e-mail os consumidores registados. No final das mensagens de e-mail que são enviadas para os telemóveis, encontram-se hiperligações que levam o consumidor a páginas de Internet especificamente desenvolvidas para a utilização através de telemóvel, onde os consumidores podem facilmente navegar recorrendo aos seus aparelhos.No entanto, no Ocidente, o mais dispendioso SMS tem dominado o envio de mensagens de texto entre telemóveis, o que resultou na ausência de oportunidades em chegar ao consumidor pela parte de marcas, retalhistas e serviços, ao contrário do que aconteceu no Japão. Isto deve-se ao facto do SMS se ter tornado, por mero acaso, um negócio chorudo para as operadoras de telemóvel, por conseguinte os fornecedores de serviços móveis nunca forçaram os quase gratuitos serviços de e-mail que estão disponíveis no Japão.Media integradaMas a questão não termina com as meras hiperligações no final das mensagens de e-mail. Segundo Funk, a área com crescimento mais acelerado do mercado de compras por telemóvel no Japão, envolve a integração com outros meios como revistas e programas de rádio e televisão.Esta inovadora aplicação deve-se à engenhosa utilização dos telemóveis com câmara que foram adoptados muito cedo no Japão, há cerca de seis anos atrás. Ao apontar e fotografar códigos de barras especiais em revistas de moda, por exemplo, os potenciais consumidores podem ser transportados para os sítios on-line dos produtores de vestuário, ou dos retalhistas que aparecem na revista. «Isto tornou-se tão popular», refere Funk, «que uma parte relevante das receitas das revistas resulta do fornecimento deste serviço aos produtores de moda e outros clientes».