Início Arquivo

Novos desafios para a lã

O primeiro fardo de lã australiana foi enviado para a Grã Bretanha para revenda em 1807, celebrando-se assim este ano os 200 anos do comércio internacional da indústria de lã australiana. Para além dos factos históricos, em 2007 assinalam-se também mudanças significativas no Australian Wool Innovation (AWI), principal centro de apoio aos produtores e de promoção da lã australiana no mercado internacional. Entre as principais mudanças encontra-se a fusão entre o AWI e o Australian Wool Services (AWS), no âmbito da qual a marca Woolmark passou a pertencer ao AWI. Com a formalização da aquisição a 5 de Outubro, o AWI assumiu a responsabilidade de revigorar a Woolmark, assumindo o controlo dos escritórios localizados em Portugal, China, Hong Kong, Taiwan, Coreia, Japão, Inglaterra, França, Itália, Alemanha e Holanda.A marca Woolmark possui reconhecimento internacional, o que implica a necessidade de merecer especial atenção no delineamento da estratégia de marketing. Sobre esta matéria, Craig Welsh, director executivo do AWI, defende a necessidade de não apressar uma decisão, pois antes de mais é necessário recolher a opinião dos diversos parceiros e licenciados que estão ligados à Woolmark. Somente após esta fase será possível definir e implementar uma estratégia ao nível internacional.Outro aspecto a ter em conta está ligado com a utilização de lã orgânica. Com o compromisso assumido pela Marks & Spencer para a venda de artigos produzidos com este tipo de lã, o facto de menos de 1 por cento da lã australiana se encontrar certificada e de serem necessários 3 anos para a obtenção do certificado levanta potenciais problemas ao nível da capacidade de resposta. Consciente da orientação dos mercados internacionais para o consumo de lã orgânica, Craig Welsh congratula-se com esta tendência e defende que a lã merino australiana é perfeita para responder a estes requisitos.Do lado da produção, a AWI encontra-se numa posição delicada face aos protestos da PETA (People for the Ethical Treatment of Animals), a maior associação mundial de protecção dos direitos dos animais, no que diz respeito à prática de "mulesing" utilizada pelos criadores australianos. No entanto, segundo um recente acordo estabelecido, está prática será eliminada até 2010. O director executivo do AWI refere a existência de diversas alternativas em desenvolvimento e reafirma a eliminação voluntária do "mulesing" até 2010.Com base na procura da lã australiana e reconhecendo as qualidades das suas fibras, Craig Welsh está confiante no futuro da AWI e no desenvolvimento do comércio internacional da lã australiana.