Início Arquivo

O desejo de ser original

Cora Groppo, uma criadora de moda argentina, apresentou a sua colecção Primavera/Verão 2009-2010 na 5ª edição do BAFweek – a Semana de Moda de Buenos Aires. Apesar do clima de nervosismo, que se respirava no evento, a criadora mostrou-se sempre tranquila e segura. Tinha como mais-valia saber que a sua colecção estava impecável e que chegava mesmo a relembrar uma galeria de arte ou um minimalista spa de inspiração zen. Mas a serenidade da criadora provinha igualmente da experiência adquirida ao longo dos anos, em certames de destaque. Isto porque Cora Groppo, que apresenta as suas colecções todos os anos na BAFweek, já participou em desfiles nas Galerias Lafayette em Paris, assim como na Semana de Moda de Londres durante três anos consecutivos. Aos 37 anos, a estilista argentina tem vindo a ganhar reconhecimento mundial, sobretudo ao manter, através das suas peças, uma relação entre a tela e o corpo. «A linguagem da tela determina sempre a forma. Em cada colecção, começo sempre por uma pesquisa orientada a gerar novos comportamentos na tela. Tal permite-me alcançar efeitos totalmente distintos», afirma Groppo. Em 2003, criou uma sociedade comercial com o marido, o advogado Ramiro López, direccionada para o vestuário urbano feminino, numa faixa etária entre os 20 e os 45 anos. A empresa colheu rapidamente os seus frutos e actualmente a marca Cora Groppo encontra-se presente em lojas seleccionadas de países como Itália, Espanha, Reino Unido, Arábia Saudita, França, Estados Unidos da América, Bolívia, México e também no Chile. De igual forma, a criadora acaba de abrir uma loja franchisada da sua marca, em Roma, graças a uma iniciativa de um grupo italiano. «Na Argentina, mais especificamente em Buenos Aires, estamos a receber um número crescente de turistas que apreciam o nosso design. Por esse motivo, têm vindo a comprar, de forma crescente os nossos produtos e isso é muito importante para atingir o reconhecimento mundial», defende Cora Groppo, cuja nova colecção intitulada “Vertebrada” foi criada em torno da imagem de uma estrutura óssea. «Para alcançar um paralelo entre o esqueleto e a roupa, utilizei elementos flexíveis e articulados como cintos e pedras». Relativamente à paleta de cores, a estilista apostou em cores neutras. «Estou totalmente apaixonada por cores neutras, o que por um lado penso que se deve à minha essência e forma de encarar a vida. Deste modo, acredito que as minhas propostas são mais semelhantes às colecções europeias do que às latinas, brasileiras ou colombianas. Penso que a minha forma de criação advém também da criatividade em aliar o design argentino a cores tipicamente europeias», conclui Cora Groppo.