Início Notícias Moda

O inverno saiu à rua

Depois de terem sido anunciadas nos calendários das semanas de moda internacionais, as tendências do outono-inverno 2018/2019 foram confirmadas nas passerelles da ModaLisboa e do Portugal Fashion.

O tartan e as peças impermeáveis, a alfaiataria reinventada e os metalizados anteciparam a próxima estação fria no guarda-roupa feminino.

Xeque-mate

Alexandra Moura
Ricardo Andrez

Dentro dos padrões, o tartan foi declarado o grande vencedor. O apelo desta tendência-chave fez-se ouvir na passerelle de Ricardo Andrez, na ModaLisboa, e nas coleções de Alexandra Moura e da marca Pé de Chumbo, apresentadas no Portugal Fashion. «Todos sabemos que o tartan é uma grande tendência e, nesta coleção, trabalhámo-la pela primeira vez», revelou a designer Alexandra Oliveira, que assina a Pé de Chumbo, ao Portugal Têxtil.

Ainda que mais discretos, os florais, as riscas e as bolas continuaram a alimentar a criatividade da nova e velha guarda do design da moda nacional.

No casulo

Inês Torcato
Gonçalo Peixoto

Na coleção que escreveu, pela primeira vez, o nome de Gonçalo Peixoto no calendário da ModaLisboa, o designer sugeriu um inverno passado no conforto das peças tricotadas. «As malhas representam mais de 50% da coleção», garantiu o jovem designer.

Também na passerelle da ModaLisboa, Ricardo Preto casou camisolões oversized com saias e vestidos leves e fluidos e, no alinhamento do Portugal Fashion, Inês Torcato pintou lãs à mão, dando-lhes o papel de vestido, e Carla Pontes incentivou ao aconchego com camadas em looks casulo.

Brilho extra

Luís Buchinho
Carlos Gil

Analisando as coleções que cruzaram as passerelles da ModaLisboa e do Portugal Fashion, o outono-inverno 2018/2019 será tudo menos sombrio. Os metalizados vão iluminar o guarda-roupa, em pequenos apontamentos ou, para as mais ousadas, em look total. Carlos Gil, Luís Buchinho e Diogo Miranda, no Portugal Fashion, e Luís Carvalho e Gonçalo Peixoto, na ModaLisboa, deram um brilho extra às coleções.

Inverno a cores

Dino Alves
Hugo Costa

Nos dois certames, o laranja, o amarelo e o lilás pintaram várias coleções. Dino Alves, Kolovrat, Ricardo Preto e Hugo Costa decidiram contrariar a tradicional paleta de inverno e injetaram cor nas respetivas propostas. «Nesta coleção, trabalhámos muito mais a cor», destacou Hugo Costa, que trouxe da semana de moda masculina de Paris uma coleção inspirada no movimento punk. Ainda assim, o preto não perdeu a relevância, como provaram as coleções de Anabela Baldaque e Miguel Vieira.

À prova de água

Inês Torcato
Luís Buchinho

As peças impermeáveis revestiram as passerelles da ModaLisboa e do Portugal Fashion. Das plataformas dedicadas ao talento emergente à passerelle principal, poucos foram os designers que ficaram imunes à febre do plástico. Gabardinas, sapatos, guarda-chuvas, vestidos, etc. – não faltaram nas coleções peças à prova de água.

Penas, pelos e plumas

Miguel Vieira
Patrick de Pádua

Despertando os sentidos, as passerelles da ModaLisboa e do Portugal Fashion convidavam ao toque, sugerindo peças com penas, pelos e plumas para a próxima estação fria. Carlos Gil, Miguel Vieira, Luís Carvalho, Imauve e Patrick de Pádua foram alguns dos que ativaram o tato da assistência durante os desfiles.

Dias descobertos

Katty Xiomara
Filipe Faísca

De acordo com as coleções outono-inverno 2018/2019 de Katty Xiomara, Nuno Baltazar, Filipe Faísca e Luís Carvalho, as baixas temperaturas devem encarar-se de frente. Sem medo, os designers propuseram coordenados femininos que intersetaram transparências e opacidades.

Alfaiataria com twist

Júlio Torcato
Nuno Baltazar

As mulheres de fato voltaram a concentrar as atenções de vários designers, fazendo da passerelle um ambiente de escritório que nada teve de aborrecido. «Acaba por cruzar referências desportivas, e daí os materiais mais técnicos, com elementos clássicos da alfaiataria», explicou Júlio Torcato sobre a coleção Re/Wind.

Nuno Baltazar conjugou fatos com laços de tule e tops sem alças e Inês Torcato explorou a risca de giz para sugerir uma alfaiataria capaz de tomar as ruas. Na passagem do Portugal Fashion por Lisboa, Pedro Pedro mostrou que o workwear é, afinal, a categoria da diversão, com uma nova abordagem à silhueta e aos materiais.