Início Notícias Têxtil

O que esperar de 2022

A conferência digital organizada pelo CENIT e pela ANIVEC juntou representantes da Becri, Calvelex, Fermir, Polopiqué e Twintex e especialistas internacionais da McKinsey & Company, IFM e BCG para apontar caminhos para a indústria da moda no futuro próximo.

Os especialistas internacionais que participaram no evento revelaram dados a ter em conta na definição de uma estratégia para os próximos tempos, que se adivinham ainda difíceis, mas onde há igualmente oportunidades a considerar. Conheça as perspetivas e as tendências apontadas pela McKinsey & Company, pelo Boston Consulting Group (BCG) e pelo IFM – Institut Français de la Mode na edição de maio do Jornal Têxtil.

Fique ainda a saber as opiniões veiculadas pelo painel de empresários presentes no evento, nomeadamente José Costa, administrador da Becri, César Araújo, administrador da Calvelex, Daniela Xavier, diretora-geral da Fermir, Luís Guimarães, presidente da Polopiqué, e Mico Mineiro, administrador da Twintex, sobre temas como a sustentabilidade, a fast fashion, a deslocalização da produção, a automatização e a distribuição.

À margem da conferência, Luís Guimarães e José Costa falaram com o Jornal Têxtil e desvendaram a estratégia que estão a implementar nas respetivas empresas, como pode ler nas entrevistas publicadas nesta edição.

Há ainda muito mais para ler no Jornal Têxtil de maio, que está repleto de notícias nacionais e internacionais.

De Portugal, conheça a nova aposta digital da Trimalhas, assim como a coleção da Unifardas direcionada para os profissionais da saúde, a parceria da FLM Têxtil para a certificação GRS, a proposta da marca de têxteis-lar Onírica, a evolução da Elementum, uma marca única que está cada vez mais sustentável, e ainda os desenvolvimentos mais recentes, que implicam a funcionalização de fibras de lã, realizados pela Penteadora no âmbito do projeto Multiscale Protech, concretizado em parceria com a plaraforma Fibrenamics da Universidade do Minho.

Saiba também de que se falou nos webinares “O novo normal na ITV – desafios sustentáveis”, que contou com a Riopele, a Tintex e a Sasia, e “Sustainability: The New Green Economy”, onde participou, entre outros, a empresa portuguesa TMG, assim como das novidades e vantagens das soluções apresentadas pela Lectra e pela myPartner em eventos digitais.

Espreite ainda o Open Day, que decorreu em versão híbrida, da tecnológica Mind, que está cada vez mais voltada para a indústria têxtil, como revela o CEO João Bernardo em entrevista.

Além-fronteiras, as feiras profissionais começam a preparar o regresso às versões físicas, como é o caso da Texworld, com o Le Showroom, e a Heimtextil, que está a analisar as tendências que vão marcar o próximo ano, e há novos investimentos na produção de fibras alternativas e mais sustentáveis.

Os mercados estão igualmente a mexer, seja em áreas específicas como o vestuário inteligente e os cosmetotêxteis, onde há boas perspetivas, seja nas exportações nacionais de têxteis e vestuário, que continuaram no vermelho nos primeiros dois meses do ano – números para analisar nas nossas páginas de conjuntura.

Antes de fechar esta edição, e porque a formação é essencial, consulte a publirreportagem Investir no Conhecimento, onde a Universidade do Minho, o Modatex e a Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa revelam a sua oferta formativa para os sectores têxtil, vestuário e moda.

Razões mais do que suficientes para não perder esta edição do Jornal Têxtil. Se ainda não é assinante, faça já a sua subscrição e garanta o seu exemplar do jornal que lhe dá a informação que faz a diferença no seu negócio.