Início Notícias Mercados

O reflexo do superdólar

A indústria de vestuário do México está a braços com a escassez de matérias-primas têxteis, numa altura em que o dólar está a subir e a impulsionar as exportações dos seus fornecedores, deixando muitos confecionadores em dificuldades para adquirir tecidos para responder às encomendas dos EUA.

«Não há tecido para fazer face à procura, especialmente para cáqui e denim», explica Arturo Vivanco, presidente da delegação da Cámara Nacional de la Industria del Vestido (Canaive) em Jalisco, ao just-style.com, acrescentando que a importação de tais produtos se tem revelado cada vez mais cara e complicada. «A força do dólar americano significa que cerca de 20 a 25% da capacidade de produção de têxteis está a ir para fora do México», indica.

A empresa de Vivanco, a Maquiladora Vivanco, que abastece retalhistas como a C&A, está a esforçar-se para responder às encomendas de vestuários, uma vez que a desvalorização do peso mexicano significa que os fornecedores de tecido locais podem agora conseguir mais 20% ao expedir os seus produtos para o norte da fronteira ou, e cada vez, para a Colômbia e Peru.

Para corrigir o problema, a Canaive está a fazer um plano para ajudar os confecionadores a comprarem tecido com quatro meses de antecedência a preços ligeiramente mais altos, em vez de os comprarem com semanas ou um mês de antecedência, como têm feito tradicionalmente.

«Estamos a começar a encomendar com muito mais antecedência e a certificarmo-nos de que as encomendas são grandes e suficientemente atraentes para os nossos produtores», explicou Arturo Vivanco.

O valor da moeda mexicana atingiu, na semana passada, os 17,50 pesos contra o que hoje é chamado localmente de “superdólar”, tendo subido dos 11-12 pesos por dólar há um ano, tornando os produtos têxteis e de vestuário mexicanos cada vez mais atraentes para os EUA e outros compradores estrangeiros.

Este crescente interesse ajudou as exportações de vestuário a saltarem 6% em relação aos cerca de 4 mil milhões de dólares (cerca de 3,7 mil milhões de euros) no ano passado, sendo que é esperada nova subida de 4% a 5% em 2016, prevê o presidente da Canaive.

Com a desvalorização do peso, as importações de vestuário deverão cair, beneficiando os produtores locais, cujas vendas no mercado interno deverão aumentar 6% a 7% este ano, em relação aos 4% em 2015, antevê também Arturo Vivanco.

Um pacote de ajuda do governo para a indústria têxtil e vestuário, lançado na primavera do ano passado, ajudou a controlar a inundação de importações asiáticas de baixos preços, especialmente para produtos de vestuário, que ficaram em centavos de dólar.

As medidas ajudaram a estabelecer preços de referência para a roupa proveniente da Ásia e de outros importadores e forçaram os importadores a registar as suas operações, uma forma de apertar a vigilância estatal e combater o crime organizado.

Mas nem todos saem beneficiados. A Cámara Nacional de la Industria Textil (Canaintex) informou recentemente que as importações de tecidos a baixo preço estão a aumentar, prejudicando os produtores locais. Embora tenham caído de 19% para 10% logo depois da introdução do pacote estatal, as importações voltaram a subir para os 16%, referiu o presidente da Canaintex, Juan Alfonso Ayub.

O sector têxtil tem ainda enfrentado cancelamentos de encomendas por parte das empresas de vestuário, o que reforça a ideia de que as importações ilegais estão a aumentar, confirmou uma porta-voz da Canaintex, segundo uma declaração de Juan Alfonso Ayub à imprensa local.

De acordo com o presidente da Canaintex, as importações temporárias chinesas estão a chegar ao porto de Manzanillo, no México, indo depois para os EUA para, em seguida, reentrarem como provenientes da América do Norte.

Ayub defende que o governo deve apertar o cerco e subir as multas contra os importadores ilegais, entre outras coisas, para garantir que estes respeitem a lei.

Embora o sector têxtil do México tenha crescido 2% no ano passado (recuperando de uma contração de 3,1%), em 2016 o crescimento poderá voltar a cair, a menos que o governo tome medidas para garantir que o pacote funciona para os fornecedores têxteis.