Início Notícias Têxtil

Orlindo Saraiva procura novos amigos

A dar os primeiros passos na internacionalização, pela mão da segunda geração, a Orlindo Saraiva quer ter amigos à distância. Bordados, estampados e linhos são brincadeira séria para a especialista em tecidos para decoração, atoalhados e mobiliário – para miúdos e graúdos.

«Estamos mais vocacionados para criança (…), mas apesar de os motivos parecerem infantis, alguns são adaptáveis», afirma Vasco Saraiva, responsável comercial da empresa sediada no concelho da Covilhã, ao Portugal Têxtil.

Assumindo o desenvolvimento dentro de portas, os clientes-alvo da Orlindo Saraiva – que possui um efetivo de cinco pessoas –, como explicou Vasco Saraiva, são as chamadas retrosarias modernas, «que têm o patchwork, a costura criativa, etc.» e, «cada vez mais», as marcas dedicadas ao universo de criança.

O mercado nacional absorve, atualmente, a totalidade da produção da Orlindo Saraiva, mas os esforços de internacionalização da empresa pretendem alavancar as exportações portuguesas.

Presente na última edição do Modtissimo, no início de outubro, os planos atuais da Orlindo Saraiva passam por saltar as fronteiras nacionais.

«Aliás, tivemos muitos contactos nesse sentido. De França e Espanha, sobretudo, mas também da Áustria», revelou o responsável comercial da Orlindo Saraiva sobre os visitantes – alguns com encomendas seladas – ao stand da empresa na feira.

A avaliação da estreia em salões da especialidade não poderia, por isso, ser mais positiva, com a Orlindo Saraiva a programar já uma repetição, a par de outras “primeiras vezes” para além-fronteiras.

«Já temos algumas ferias agendadas para 2018, como a próxima edição do Modtissimo, e estamos a tentar a H+H, em Colónia», adiantou Vasco Saraiva, sublinhando que o processo de filtragem passou por perceber «o tipo de empresas que estava presente».

Com um crescimento «progressivo» nos anos recentes e uma carteira de aproximadamente 1.000 clientes ativos, a Orlindo Saraiva remodelou recentemente o seu website e pretende fazer deste uma janela da empresa para o mundo.

«Apesar de sabermos que há artigos que os clientes vão comprar de certeza, gostamos sempre de ter coisas novas», explicou sobre a atualização constante das referências o responsável comercial, que representa, ao lado do irmão, Henrique Saraiva, a segunda geração na empresa de tecidos a metro.