Início Notícias Têxtil-Lar

Os benefícios da Intertextile Shanghai Home Textiles

A feira dedicada aos têxteis-lar, que regressa de 25 a 27 de agosto a Xangai, oferece aos expositores internacionais a oportunidade de participar através de opções híbridas, para que as empresas impossibilitadas de viajar possam, todavia, beneficiar da rápida recuperação do mercado chinês.

[©Messe Frankfurt]

O Centro Nacional de Exposições e Convenções de Xangai prepara-se para receber este verão a edição de outono da Intertextile Shanghai Home Textiles (ISHT), que decorrerá em simultâneo com a Intertextile Shanghai Apparel Fabrics, a Yarn Expo, a PH Value e a CHIC.

O certame realiza-se numa altura em que se verifica uma recuperação crescente do retalho na China, uma tendência que também se registou no último edição da feira dedicada aos têxteis-lar.

Para a próxima ISHT, o formato híbrido é a solução para que as empresas que não puderem marcar presença na feira consigam expor as suas novidades para a fileira casa. Deste modo, as empresas impedidas de viajar para a China têm, mesmo assim, a oportunidade de expor os respetivos produtos, recorrendo ao modelo híbrido. No certame haverá um stand individual de exibição de produtos para que as empresas deem a conhecer os produtos fisicamente e que os compradores os possam ver e tocar. No local estará ainda uma equipa disponível para recolher os contactos dos potenciais compradores, destaca a Messe Frankfurt (HK) em comunicado.

[©Messe Frankfurt]
Outra das opções centra-se na Intertextile Gallery, uma área de exposição partilhada por empresas estrangeiras, que podem apresentar todas as informações alusivas à respetiva empresa e oferta juntamente com outras empresas internacionais. «Além disso, está disponível uma gama de opções de publicidade em todo o recinto da feira e nas plataformas digitais, inclusive para empresas que não expõem na feira. Isto pode ser especialmente útil para as marcas estrangeiras que não puderam participar no certame como habitual e este ano podem permanecer visíveis para os compradores chineses», revela a organização.

Mercado em recuperação

Ainda que o impacto económico da pandemia tenha dificultado as comparações com o ano passado, as vendas de retalho recuperaram e a confiança do consumidor parece estar de volta. Abril foi o nono mês consecutivo de crescimento no comércio retalhista chinês, segundo apontam os dados do gabinete de estatística do país. De acordo com a Macquarie, as vendas aumentaram 8,3% em janeiro e fevereiro comparativamente com o mesmo período do ano anterior e, sem os efeitos da pandemia, as vendas subiram, mesmo assim, 3,1%.

No relatório Consensus Forecast de março, conduzido pela FocusEconomics, os inquiridos referiram esperar que as vendas de retalho aumentassem 12,9% em 2021, ou seja, 0,3% acima das previsões do mês anterior. Já para 2022, as conclusões apontam para uma subida de 7,4% nas vendas de retalho e no que diz respeito aos gastos totais do consumidor da China, um estudo da Mintel, considera que os valores vão regressar aos níveis pré-pandemia durante este ano, com expectativas de aumento a uma taxa composta de crescimento anual de 7,3% de 2021 a 2024.

A corroborar com estes indicadores, nomeadamente com a evolução na confiança do consumidor, estão os relatos dos expositores que participaram na edição de primavera da Intertextile Shanghai Home Textiles. «O resultado desta edição em geral é bom. A pandemia teve um grande impacto no nosso mercado externo e nos pedidos, contudo as vendas domésticas estão a aumentar», afirmou Linda Hu, gerente de vendas da empresa chinesa Anhui Million Feather.

[©Messe Frankfurt]
«A pandemia não teve muito impacto nas empresas de têxteis-lar, porém, como todos ficaram em casa durante a pandemia, agora têm requisitos de qualidade mais elevados para produtos de interior», acrescentou Leo Chen, diretor-geral da também chinesa Yantai Pacific Home Fashion.

Tendo em conta o aumento nas vendas online e a tendência acelerada do digital, o e-commerce será um aspeto fundamental na Intertextile Shanghai Home Textiles, que terá uma área com plataformas de comércio como fornecedores de soluções de armazenamento e distribuição, empresas de pagamento eletrónico e outros prestadores de serviços. Os seminários referentes ao e-commerce vão decorrer também neste espaço, proporcionando aos expositores maior conhecimento sobre novos canais de oferta com experiência sobre as vendas de retalho no mercado externo.

Outras áreas da feira incluem pavilhões de países e regiões da Bélgica, Taiwan e Turquia, assim como espaços para tapetes, produtos acabados, design têxtil, tecnologia têxtil, contract e editores.