Início Notícias Moda

Os super boomers – Parte 2

A nova geração de Baby Boomers está a revolucionar as convenções e a adotar um estilo de vida próprio e inovador, que acompanha os novos movimentos sociais, culturais e tecnológicos, provando que a idade é apenas um número.

Esta geração assume uma presença, cada vez mais, assídua nos meios digitais e media sociais, sendo responsável pela maior percentagem de gastos efetuados on-line, assim como pela criação de plataformas inspiradoras, nas quais partilham as suas sugestões nos mais diferentes sectores de lifestyle, reunindo um vasto número de seguidores. (ver Os super boomers – Parte 1)

A nova meia idade
«O conceito de velho mudou ao longo do tempo e terá de continuar a mudar no futuro, uma vez que as pessoas vivem vidas mais e mais saudáveis. Há 200 anos atrás, alguém com 60 anos seria muito velho. Uma pessoa hoje de 60 anos,
diria que é de meia-idade», explica Sergei Scherbov, vice-diretor do Instituto Internacional para a Análise de Sistemas Aplicados (IIASA).

De acordo com a pesquisa realizada pelo IIASA, a velhice começa agora aos 74 anos, com a meia-idade a prolongar-se por, pelo menos, mais nove anos do que as estimativas atuais. O IIASA defende que a velhice deve ser medida não pela idade, mas pelo tempo que as pessoas têm ainda para viver, especialmente porque a tecnologia moderna prolonga a vida humana.

Com a meia-idade a ser adiada, o mesmo acontece com a tradicional reforma, uma mudança cultural que afetou de forma determinante a força de trabalho global. Nos EUA, quase metade de todos os Boomers está a adiar a reforma, com 34% a substituir a idade tradicional de 63 anos, em média, para os 68 anos. No Reino Unido, a idade legal de reforma deverá chegar aos 70 anos nos próximos 50 anos, segundo o Escritório de Responsabilidade Orçamental.

As reações ao adiamento da reforma são várias e variadas. Alguns analistas económicos discutem os seus impactos no mercado de trabalho, ao nível de entrada e mobilidade ascendente dentro das corporações, enquanto outros acreditam que a reforma tardia ajuda a compensar os problemas crescentes com as pensões (uma questão global massificada).

Renovação profissional
«As pessoas estão a descobrir que as suas carreiras iniciais podem durar 20 ou 30 anos e que precisam de se preparar para um novo trabalho, que poderá durar mais algumas décadas», sustenta Philip Pizzo, fundador do Distinguished Careers Institute da Universidade de Stanford, um projeto educacional destinado a alunos com mais de 55 anos, que pretendem seguir mais do que uma carreira profissional na sua vida.

A tendência de adoção de uma nova carreira num fase mais avançada da vida está a aumentar entre os Boomers, que, na sua maioria, não se debatem com obrigações familiares e financeiras e encaram as novas carreiras com base nos seus gostos pessoais.

As ciências da computação estão na base de carreiras populares entre os Boomers.
De igual forma, este geração emerge como uma nova classe criativa, que procura beneficiar de cursos livres de artes, design e culinária – uma tendência crescente no campo educacional nos EUA.

Com sede em Chicago, a Shimer College é uma escola de artes liberal de pequena dimensão, que disponibiliza educação gratuita para os alunos com mais de 60 anos. Para aqueles que têm idades superiores a 55 anos, a Sociedade da Aprendizagem ao Longo da Vida, da Florida Atlantic University, oferece cursos gratuitos, orientados em função de diversas temáticas, como assuntos de política externa e música (as aulas de DJ são altamente procuradas), arte, filosofia e eventos atuais. Todas as 23 universidades estatais da Califórnia oferecem aulas gratuitas através do « Programa Over 60.

Os anos 60 estão de volta
Para a geração que atingiu a maioridade na década de 1960, desafiar o status quo não é algo novo. Esta geração está a usar estes princípios e prioridades para reformular o conceito de envelhecimento, participando em festivais e apoiando um movimento sexual na terceira idade.

Os festivais, como Bonnaroo, T in the Park e Glastonbury verificam um crescimento anual de participantes com idades superiores a 55 anos, embora o favorito seja o Burning Man, que inclui vários grupos e comunidades de acampamento, especialmente destinados a esta geração.

Para muitos Boomers, o sexo e a música andam de mãos dadas, com os festivais emblemáticos da década de 1960 a divulgarem o movimento do amor livre. Atualmente, os Boomers são amplamente considerados a geração sexualmente mais aventureira até à data. Um estudo recente, que incluiu uma amostra de 33.000 indivíduos, realizado pela publicação Archives of Sexual Behavior, demonstrou que a geração do milénio, com idades compreendidas entre os 15 e 34 anos, é sexualmente menos ativa do que os Boomers, cuja geração apresenta o maior número de parceiros sexuais (uma média de 10) em comparação com outras gerações.

A ausência de stress e responsabilidades quotidianas está a impulsionar este emergente movimento sexual. «Os relacionamentos são um cenário totalmente diferente agora», afirma Madeleine, uma defensora deste movimentos. «Não se trata de ter filhos, criá-los, sentir o mesmo sobre cada pequena coisa. Está muito mais relacionado connosco próprios», explica.

Envelhecimento ativo
Desde aulas de ioga a cursos destinados a contrariar o envelhecimento muscular, os cursos de fitness, específicos para determinadas demografias, estão a fomentar o desenvolvimento de uma geração de indivíduos saudáveis, contribuindo simultaneamente para a expansão dos seus círculos sociais.

Diversos ginásios destinados a um público com idade superior a 55 anos, como o Healthfit, Nifty After 50 e Club 50, disponibilizam aulas que pretendem melhorar a postura, aumentar a densidade óssea e aliviar as dores musculares, além de exercícios inspirados na prática de CrossFit e Zumba.

Os espaços de ginásio estão a ser redesenhados, adotando uma estética mais madura. Grandes espaços abertos estão, gradualmente, a substituir áreas de máquinas superlotadas, apostando em música e iluminação mais suaves. Paralelamente, as áreas de spa estão a substituir as chaves por códigos de segurança, facilitando a interação com clientes com deficiência visual e artrite.