Início Notícias Tecnologia

Pangaia investe em Barcelos

A empresa de ciência dos materiais Pangaia, que é também conhecida pelos seus fatos de treino, está a instalar uma nova plataforma de acabamentos digitais da MTIX em Manhente, Barcelos. A tecnologia, considerada revolucionária, deverá estar em funcionamento no final deste trimestre.

Pangaia X MTIX [Microfiber Innovation]

De acordo com a MTIX, a plataforma Multiplexed Laser Surface Enhancement (MLSE) subscrita pela Pangaia, que está disponível no modelo de negócio Software as a Service (SaaS), usa múltiplas fontes de energia com uma combinação única de gases, sólidos e/ou líquidos, pensados para sintetizar diretamente materiais num substrato específico, com cada combinação de energias, constituintes e substratos codificados num algoritmo de processamento desenvolvido internamente.

A MLSE pode ser usada para aplicar e melhorar químicos precursores usados para o acabamento, ao mesmo tempo que reduz drasticamente o consumo de energia, água e químicos em comparação com os processos convencionais. A tecnologia, refere a empresa, melhora consideravelmente a funcionalização de tecidos, incluindo, separadamente ou em conjunto, a repelência à água, óleo e combustível, retardamento à chama, resiliência microbiana e proteção a químicos, e a preparação da superfície para tingimento e estamparia convencional ou digital.

A plataforma MLSE está licenciada para a empresa de ciência dos materiais e chegou às instalações onde irá funcionar, em Manhente, Barcelos, em novembro de 2021. A sua instalação física ficou concluída no início de abril, segundo um comunicado da MTIX, devendo agora passar por uma fase de testes, configuração e formação, antes de estar completamente operacional, algo que está previsto para o final deste trimestre.

Phil Mansour [Microfiber Innovation]
«Estamos muito entusiasmados por trabalhar com a Pangaia, não só como licenciada, mas como parceira no espaço da ciência dos materiais», afirma Phil Mansour, CEO da MTIX Lda, parte da MTIX International. «A Pangaia, tal como a MTIX, está empenhada em dar ao mundo soluções para a moda amigas do ambiente», acrescenta.

A aplicação inicial do tratamento de têxteis da MTIX para a Pangaia não usa nem ácido perfluorooctanóico (PFOA) nem ácido perfluorooctano sulfónico (PFOS), comummente usados na indústria têxtil para o acabamento de têxteis resistentes à água, mas que têm sido associados a efeitos nefastos para a saúde e o meio ambiente.

Parceria premiada

A colaboração entre a MTIX e a Pangaia já foi reconhecida no recente Microfiber Innovation Challenge, onde foi uma das cinco vencedoras do concurso que teve por objetivo dar visibilidade a soluções para o problema dos microplásticos na indústria têxtil. A candidatura da MTIX/Pangaia foi escolhida por um júri composto por representantes da indústria de vestuário, investigadores de materiais, conservacionistas e investidores, tendo por base critérios como viabilidade, potencial de crescimento, impacto ambiental e abordagem inovadora.

Amanda Parkes [Microfiber Innovation]
«Transformar o processo de acabamento de analógico para digital permite aos nossos investigadores criar, ajustar e lançar algoritmos de processamento numa rede global planeada de sistemas MLSE. Soluções como a mitigação de microfibras podem ser adicionadas a outras características de acabamento em segundos, sem mudanças de hardware ou linha produtiva, a pedido do licenciado», explica o CEO da MTIX.

Já Amanda Parkes, diretora de inovação na Pangaia, garante que «a tecnologia MLSE da MTIX é verdadeiramente revolucionária e disruptiva, com muitas áreas de aplicação. Através da nossa parceria, vamos criar a próxima geração de soluções sustentáveis para a área da moda».