Início Notícias Moda

Paris sem regras

Homens de saias, apresentações em parques de estacionamento, críticas à moda rápida – Paris decidiu quebrar regras e, na mais recente semana de moda masculina, foram os rebeldes que garantiram um lugar ao sol nos destaques dos media. Thom Browne, Vetements e o designer português Hugo Costa marcaram alguns dos momentos altos do calendário, mas a voz masculina da Dior, Valentino ou Louis Vuitton continuou a fazer-se ouvir.

A viagem no tempo, à primavera-verão 2018 masculina, continuou em Paris (ver Milão celebra um homem novo), semana de moda na qual, à exceção de rebeldes como a Vetements, as marcas tradicionais responderam à convocatória, garantindo atempadamente que, de 21 a 25 de junho, os dias se alongariam.

Kenzo rega raízes nipónicas

Humberto Leon e Carol Lim, diretores criativos da Kenzo, presentearam a assistência com um desfile que cruzou a linha masculina e a feminina. Para a primavera-verão 2018, as linhas foram inspiradas por duas personalidades nipónicas. O artista Ryuichi Sakamoto inspirou a alfaiataria, riscas, florais, cores fortes e gráficos pop-art. A supermodelo Sayoko Yamaguchi, desparecida em 2007, inspirou a maquilhagem e os cabelos, sendo que as peças foram pensadas como uma atualização do que a musa poderia vestir hoje.

Alexander McQueen

Homem McQueen estreia-se em Paris

Naquela que foi a estreia da linha masculina em Paris (ver Homem Alexander McQueen desfila em Paris), o paganismo da última apresentação de womenswear da marca voltou a alimentar o universo criativo da diretora criativa Sarah Burton. Para a coleção de homem da Alexander McQueen dedicada à próxima estação quente, Burton explorou looks místicos, vitorianos e até folclóricos em propostas de alfaiataria.

Vetements

O quotidiano da Vetements

Depois de se ter posicionado contra o calendário tradicional de desfiles, a Vetements propôs uma alternativa à passerelle para a primavera-verão 2018. O coletivo disruptivo liderado por Demna Gvasalia, que acabou de se mudar para Zurique, convidou os transeuntes que ia encontrando pelas ruas da cidade a posar para o seu lookbook. Gvasalia fotografou-os, sendo que as pessoas escolheram as roupas da marca que queriam usar. As imagens foram depois impressas e apresentadas à imprensa num estacionamento em Paris, aproveitando a semana de moda masculina da Cidade-luz. Por fim, o local transformou-se num showroom para receber buyers.

Hermès

Hermès na desportiva

A coleção da Hermès voltou-se para as ruas e mostrou-se mais desportiva. A alfaiataria surgiu com um fitting mais largo, cores como o bordeaux, azul e verde emprestaram um toque de cor aos looks e as peças mais básicas surgiram em branco, preto e caqui.

10 anos de Kris Van Assche

A primavera-verão 2018 da Dior Homme comemorou os dez anos de Kris Van Assche ao comando da linha. A alfaiataria foi o vórtice da mostra, com destaque para os shorts e as ilustrações de orquídeas em bombers, desenvolvidas pelo artista francês François Bard.

Louis Vuitton de chinelos

A Louis Vuitton apelou aos millennials e explorou as silhuetas oversized, complementadas com o chapéu pescador de estética anos 1990. As camisas havaianas e os colores de praia remetiam para looks descontraídos de verão – com direito até a slides (chinelos) usados com meias.

Valentino

Valentino nas ruas

Na Valentino, Pierpaolo Piccioli mostrou-se fortemente influenciado pelo desporto e streetwear, num alinhamento de peças casuais salpicadas de cores vibrantes como o laranja, vermelho, azul e menta. Os blusões desportivos e leves e as bolsas de igual estética, usadas a tiracolo, dominaram a passerelle da marca.

Balenciaga em família

Balenciaga

O desfile da Balenciaga convidou a um domingo familiar no parque, com propostas para toda a família, relaxadas e desconstruídas, sem descurar o exagero das proporções, do contraste de texturas e, claro, a estética “ugly fashion” já reconhecida ao trabalho do diretor criativo Demna Gvasalia. Fatos vários tamanhos acima do fitting ideal, plástico transparente sobre os looks e camisaria anos 1990 integraram as sugestões da marca.

Thom BrowneThom Browne e os homens de saia

Saltos altos, meias pretas e minissaias – assim desfilou o homem da Thom Browne para a primavera-verão 2018, derrubando todas as barreiras de género.

A passerelle chegou a ser pisada pelo bipolar “homem-noiva”, com um smoking na frente e renda guipura nas costas.

Voo Portugal-Paris

Hugo Costa em desfile e Alexandra Moura e Nycole em showroom garantiram que a moda nacional estivesse novamente representada na semana de moda masculina de Paris.

Hugo Costa

Hugo Costa regressou ao calendário oficial de apresentações com a coleção primavera-verão 2018, na Maison des Métallos. Apoiado pelo Portugal Fashion, o designer rompeu com o tradicional formato de desfile, optando por uma apresentação dinâmica e interativa. Inspirado pelos Moken, povo nómada que ocupa o Arquipélago de Mergui, reclamado quer pela Birmânia, quer pela Tailândia, Costa mostrou 30 looks – marcados pelos cruzamentos de amarelo na prevalência de tons neutros, sobreposições e recortes – que seguiram o mote “Don’t Fish my Fish”. O reparo foi deixado à moda rápida, que vai pescando «o peixe dos outros», e a marca, tal como os Moken, vai mantendo o seu território no mercado, como afirmou Hugo Costa em comunicado.

Alexandra Moura e a marca emergente Nycole – que se estreou no espaço Bloom do Portugal Fashion na última edição – protagonizaram uma apresentação no âmbito do Heavy London Showroom.

A seleção tradicionalmente agender de Alexandra Moura fez xeque-mate com o padrão axadrezado a servir de fio condutor à seleção de vibração streetwear e a marca Nycole, assinada pela jovem designer Tânia Nicole, seguiu uma rota oriental, com peças marcadas por cores quentes.