Início Arquivo

Pense Indústria» regressa às escolas de Castelo Branco e Guarda

Dando seguimento a iniciativas idênticas de anos anteriores, o pólo da Covilhã do CITEVE (Centro Tecnológico das Indústrias Têxtil e do Vestuário de Portugal) arrancou, no passado dia 7 de Novembro, com mais uma edição do projecto “Pense Indústria”, no âmbito do qual serão desenvolvidas actividades inéditas no decorrer das 16 sessões previstas. O “Pense Indústria” surgiu de um modelo existente em Israel cuja ideia foi transposta para Portugal em 1995 beneficiando dos apoios do PEDIP II e do Fundo Social Europeu, durante o II Quadro Comunitário de Apoio. Na presente edição, já no âmbito do QCA III, é apoiado pelo Programa Operacional da Economia (POE), pelo Fundo Social Europeu e pelo FEDER. Trata-se de um projecto de natureza potencialmente estruturante que vai desenvolver as suas actividades em parceria com escolas dos distritos de Castelo Branco e Guarda. Através de sessões que têm por objectivo principal a sensibilização/formação para a temática “a indústria e os seus desafios”, é facultada aos jovens a possibilidade de interagir com equipamentos tecnologicamente avançados e utilizados actualmente no ambiente industrial. Esta vertente do projecto vai envolver cerca de 240 alunos, distribuídos por sete estabelecimentos de ensino: Escola Secundária Campos Melo (Covilhã), Escola EB 3 Quinta das Palmeiras (Covilhã), Escola EB 2/3 Belmonte, Escola EB 2/3 de Manteigas, Escola Básica Integrada de S. Domingos (Covilhã), Escola EB 2/3 do Teixoso, Escola EB 2/3 Tortosendo. No âmbito desta iniciativa, serão ainda promovidas acções itinerantes – designadas de “É Assim na Indústria” – que se destinam à sensibilização dos jovens, seus educadores e familiares, com recurso a uma componente formativa. Estas acções serão desenvolvidas em vários distritos do país e pretendem abranger cerca de 2800 alunos. “Este projecto, nas suas duas vertentes, vai ao encontro das necessidades económicas das empresas, ao mesmo tempo que elucida os jovens para profissões relacionadas com a indústria”, esclarece Cristina Reis, coordenadora do projecto. Nesta perspectiva, procura mostrar aos jovens uma outra faceta da indústria, dos seus novos desafios e valores, influenciando-os positivamente para um processo de aproximação através de novas tecnologias…