Início Notícias Moda

Periscope em Nova Iorque

Os utilizadores de media sociais devem preparar-se para uma overdose de atividade digital instigada pelo início de uma nova temporada de moda em Nova Iorque. Todas as plataformas garantiram já o seu lugar, mas o aplicativo do momento será o Periscope.

A modalidade de transmissão ao vivo do Twitter, lançada em março de 2015, conquistou popularidade no segmento da moda este verão. Este setembro, diversas marcas, incluindo Hunter, Ralph Lauren e Desigual, têm grandes planos para o futuro, enquanto editores e blogueiros tendem a conquistar mais atenção, percorrendo as apresentações de passerelle em passerelle.

Caroline Issa, diretora de moda das revistas Tank e Because, e ela própria um ícone de estilo, usou amplamente o aplicativo durante as semanas de moda masculina em junho e tenciona fazê-lo, novamente nesta semana de moda em Nova Iorque, que começou ontem. «O Periscope permite um acesso real do consumidor ao melhor do mês da moda – eu teria gostado de assistir ao ponto de vista do meu editor de moda favorito quando tinha 17 anos, e agora qualquer um pode», explica. «Isso significa uma inclusão maravilhosa e acesso ao que em tempos foi verdadeiramente exclusivo – é um passo que nos aproxima da ação».

A equipa do Twitter refere-se ao uso do Periscope durante as semanas de moda como #fashionunfiltered. Este hashtag alude ao acesso real e sem edição, disponibilizando uma perspetiva mais autêntica do que seria efetivamente participar num evento desta natureza. «O Periscope é como um aparelho de teletransporte, pode levar-nos para um outro mundo», afirma Georgina Parnell, diretora de moda na delegação britânica do Twitter. «Trata-se de dar às pessoas uma perspetiva ou uma experiência que nunca tiveram antes», acrescenta.

A categoria de moda é, alegadamente, um dos temas mais populares nesta rede social. Marc Jacobs usou-a na divulgação da sua coleção resort de 2016, participando, posteriormente, numa sessão de questões ao vivo. De forma similar, a Burberry também recorreu ao aplicativo na sua apresentação de moda masculina em junho. divulgando diferentes segmentos de conteúdo no decorrer do evento.

Assim, outras marcas aderiram à tendência nesta temporada que se avizinha. Em Londres, a Hunter usará o aplicativo na criação de uma série de Gigs móveis, apresentando diferentes bandas, como forma de reforçar a sua associação a festivais de música.

A Desigual, em Nova Iorque, irá fazer desfilar os seus modelos com dispositivos de transmissão, proporcionando uma visão privilegiada do que significa participar numa apresentação de moda. A Tommy Hilfiger está, também, a planear algo semelhante.

O Twitter destaca o Periscope como uma ferramenta adicional e não um substituto da tradicional transmissão ao vivo. Essa transmissão profissional a partir da passerelle continuará a ocupar um lugar de destaque na comercialização das semanas de moda, acredita Parnell. Porém, pode revelar-se dispendiosa – para muitos designers, uma transmissão ao vivo está já incluída na organização das suas apresentações anuais, mas efetuada de forma independente, pode custar entre 20.000 a 50.000 dólares.

A Ralph Lauren, no entanto, optou por fundir ambas as ideias, organizando uma encenação das suas apresentações nova-iorquinas nos ecrãs gigantes de Picadily Circus, em Londres, em colaboração com o Periscope.«[Um número estimado de] dois milhões ou mais de pessoas passam em Piccadilly todas as semanas e muito poucos esperavam, provavelmente, um lugar na primeira fila da Semana de Moda de Nova Iorque», justifica David Lauren, vice-presidente executivo de publicidade global, marketing e comunicações corporativas da marca.

Atualmente, o Periscope reúne 10 milhões de utilizadores, enquanto a Ralph Lauren agrega 1,3 milhões de seguidores no Twitter, o que significa que os utilizadores serão, também, muito mais globais. «Um dos elementos sociais mais convincentes e envolventes dos media é a experiência partilhada, saber que alguém no Japão está a assistir à mesma coisa que alguém em Londres ou Nova Iorque faz o mundo parecer um lugar mais íntimo», admite David Lauren.

É com base nisso que o Twitter recomenda o uso do Periscope na divulgação de determinados momentos que transmitam a essência da semana da moda, quer isso signifique uma conversa com um designer, apresentação de modelos ou o simples ato de admirar os sapatos de quem está sentado na fila frente – mesmo que o resultado seja amador.

Issa concorda: «acredito que as contas de Periscope que serão capazes de disponibilizar o acesso e pontos de vista mais interessantes serão as mais populares. Eu sempre acreditei que deve imperar a qualidade face à quantidade e demorará algum tempo até que todos os utilizadores assumam esse filtro – também é a razão pela qual eu não publico no Periscope o meu pequeno-almoço, o meu treino ou as minhas caminhadas para o trabalho. Eu prefiro partilhar coisas interessantes, momentos profissionais que acho que o público poderá apreciar caso se interessem por moda, pelo negócio da moda e pela indústria criativa».

Em geral, o Periscope disponibiliza uma oportunidade de divulgação de conteúdos que não pode ser encontrada, para já, em qualquer outra plataforma.

Uma característica particularmente atrativa do Periscope é o facto de permitir uma interação ativa do utilizador. Os espectadores podem publicar comentários sobre a transmissão em tempo real, permitindo que aqueles que estão a transmitir respondam, reajam e alterem o teor do seu conteúdo. Alguns dos melhores conteúdos desta temporada incluirão um acesso real aos designers e formadores de opinião que compartilham ideias francas com base no que o espectador quer ver.

Uma vez mais, está em destaque o acesso em bruto, não filtrado. É dado mais um passo na democratização da experiência da semana da moda.