Início Arquivo

Pessoas digitalizadas na Maconde

Assim que se começou a pensar que o “e-commerce” se iria sobrepor às vendas tradicionais, a MacModa, a marca comercial da Maconde, sentiu a necessidade de se manter a par das novas tecnologias. Isto, apesar de a maioria dos consumidores se mostrar renitente em aderir às compras através da Internet, devido à impossibilidade de vestir e experimentar a roupa que pretendem comprar. Desta forma, a empresa portuguesa constituiu um consórcio europeu para desenvolver o projecto “Fashion Me”, que tem como objectivo encontrar uma solução para este problema. Depois de um investimento de cerca de um milhão de euros co-financiado pela União Europeia, o resultado é um sistema único no mundo que permite a experimentação de roupa on-line que a MacModa apresentou no último Portugal Fashion e que vai agora percorrer os principais centros comerciais portugueses. O Personator, uma máquina que se assume como a cabina de prova virtual, que digitaliza as pessoas e constrói um modelo a três dimensões e que através do “site” da empresa, pode ser vestido com a roupa que o utilizador escolher. Os clientes obtêm o seu “avatar”, um bilhete de identidade de modelo virtual que resulta da transformação da fotografia integral e personalizada a três dimensões. O “avatar” é construído a partir de quatro poses fotográficas e a introdução de dados como o sexo, idade e peso do cliente. Segundo Vasco Nina, director de Marketing da MacModa, em declarações ao Expresso, este projecto experimental «nascido a pensar nas virtualidades do comércio virtual, (…) revela potencialidades para outras áreas além da moda e tem para já um aspecto lúdico e de entretenimento, ao permitir que qualquer pessoa se possa ver no computador como ficaria com um fato ou outra peça de roupa do nosso catálogo». Em conjunto com a Avatar Me, uma empresa britânica constituída para desenvolver este sistema, o grupo Maconde é o grande impulsionador deste projecto, que contou ainda com a Universidade de Estugarda, a portuguesa Adeti ligada ao ISCTE, a suiça Pixel Park, o Canal Plus e a grega Mellon Technology, especializada em segurança de transacções de «e-commerce». Com 40 lojas em Portugal e cinco em Espanha e cinco mil visitas mensais ao seu site, a MacModa poderá, mais tarde, servir para enviar os catálogos virtuais em que cada utilizador é o modelo. A MacModa admite ainda que as tentativas de “e-commerce” no seu sector, terão de passar por projectos deste tipo e que esta nova tecnologia poderá ser utilizada em video-conferências, ou ainda e por razões de segurança, para digitalizar em 3D pessoas com passaporte, impedindo a utilização de passaportes falsos ou fotografias disfarçadas. Depois de ter estado em exibição do NorteShopping e ter digitalizado 1500 pessoas, o protótipo Personator, que custou 69 mil euros, encontrando-se agora no Arrábida Shopping.