Início Notícias Marcas

Phelps mergulha na Under Armour

O mais recente anúncio publicitário da marca de athleticwear conta com o nadador olímpico Michael Phelps em treinos de preparação para os próximos Jogos Olímpicos Rio 2016, vincando a importância do evento para a comunicação e vendas das principais marcas desportivas mundias.

Com o adeus iminente do atleta em mente, – que anunciou que esta seria a sua última participação olímpica –, a Under Armour focou sabiamente a narrativa do anúncio no fim da carreira de Phelps como nadador. O vídeo de pouco mais de um minuto tem como banda sonora a música “The Last Goodbye” dos The Kills.

Com frases como “It’s the last goodbye I swear” (“é o último adeus, juro”», Michael Phelps é visto a nadar sozinho numa piscina rodeada pela escuridão. Phelps, patrocinado pela Under Armour desde 2010, também levanta pesos, dorme é visto a fazer vários tipos de treino, todos em peças da marca.

O anúncio da Under Armour é apenas um dos muitos exemplos que retratam o impacto do evento nas marcas e respetivos canais de comunicação. Normalmente, as peodutoras de vestuário desportivo desenvolvem produtos mais inovadores em anos olímpicos (ver Oportunidade olímpica) e, por consequência, também gastam mais em grandes campanhas publicitárias. A Under Armour revelou já algumas campanhas para os Jogos Olímpicos, incluindo uma que se concentra na equipa de ginástica feminina dos EUA.

Num evento em Baltimore, a marca mostrou os novos uniformes oficiais para as equipas olímpicas com as quais irá trabalhar este ano, incluindo o boxe e a ginástica americanos. Alguns atletas individuais, como a estrela da NBA Stephen Curry e o tenista Andy Murray, também vão ser vestidos pela marca.

Tudo isto empresta à Under Armour um grande potencial para ampliar o apelo das suas peças, especialmente para mercados internacionais onde a marca ainda não compete de forma muito agressiva. Dos perto de 4 mil milhões de dólares (aproximadamente 3,6 mil milhões de euros) em receita que a Under Armour ganhou no ano passado, 87% vieram do mercado norte-americano. E, ainda que as principais rivais Nike e Adidas tenham muito mais exposição nos mercados exteriores aos seus quarteis-gerais, a Under Armour tem ainda espaço para crescer.

Porém, apesar de os Jogos Olímpicos se mostrarem uma excelente oportunidade para mostrar o logotipo da marca, a inovação e as grandes apostas em novos equipamentos acarretam, também, algum risco. Cite-se como exemplo o ano de 2014. A Under Armour teve problemas com a imprensa durante os Jogos Olímpicos de Inverno, em Sochi, quando vários atletas culparam a empresa pelo seu mau desempenho no gelo. Mais tarde revelar-se-ia que a tecnologia dos fatos não foi a responsável pela fraca performance.