Início Destaques

Piubele cresce com a produção

O investimento em tecnologia permitiu um aumento da produção na Piubele e contribuiu para o crescimento de 25% do volume de negócios da produtora de têxteis-lar no ano passado, que ultrapassou os 20 milhões de euros.

Numa espécie de círculo virtuoso, a especialista em roupa de cama teve necessidade de crescer para responder às encomendas e o resultado foi um «ano fantástico», como classifica a diretora comercial Joana Liberal, dando conta de um volume de negócios superior a 20 milhões de euros. «Tivemos que aumentar a capacidade e investimos a nível de máquinas, de tecnologia», revela Joana Liberal.

Atualmente, a tecelagem da Piubele tem uma produção que ronda os 100 mil metros mensais, um valor que permitiu responder ao aumento da procura. «Sobretudo ao nível de clientes existentes, aumentámos muito o negócio, mais do que com clientes novos», afirma a diretora comercial.

Este crescimento no volume de encomendas foi proveniente da Europa, incluindo do Reino Unido, mas também dos EUA, apesar das questões cambiais afetarem o negócio. «Temos agora uma guerra com o preço. Aliás, as margens são cada vez mais reduzidas, mas como as quantidades foram aumentando, foi possível ter linhas de produção próprias, o que permitiu compensar um bocadinho», explica Joana Liberal.

Para 2018, a coleção da empresa, que produz em private label mas também para a marca própria Piubelle, aposta em linhas clean, destacando o lado orgânico e natural das matérias-primas, assim como a mais-valia da produtora de têxteis-lar ter a certificação GOTS. «Estamos a vender os orgânicos nos EUA e em Inglaterra, a começar a vender em Espanha e também na Austrália», enumera a diretora comercial.

Os vizinhos espanhóis, de resto, têm crescido na Piubele através do seu único cliente, a Zara. «Já há alguns anos que temos vindo a registar um crescimento constante no grupo Inditex. É um cliente que exige muito design e nós temos uma equipa de design fantástica, com cinco pessoas. Portanto, temos uma harmonia perfeita e desenvolvemos muita coisa em colaboração. Temos uma boa relação, quer com os designers, quer com as compradoras da Zara. E também adaptamos um bocadinho a nossa produção para as condições deles», desvenda Joana Liberal. «Eles são super exigentes. Os produtos têm que ser testados, têm que ter uma série de requisitos. A Zara tornou-se muito exigente a nível de cores, a nível de encolhimentos… Muitas coisas que passavam atualmente não passam. Mas também faz parte da nossa política testar todos os nossos produtos – problemas de qualidade não existem connosco», assegura a diretora comercial da Piubele.

Com o objetivo de chegar aos 20 milhões de euros de volume de negócios alcançado antes do previsto – era uma meta delineada para atingir em dois anos e foi conseguida apenas em 12 meses –, para o corrente ano, a ambição continua a passar pelo crescimento. «Somos ambiciosos, não queremos ficar pelos 20 milhões, queremos continuar a crescer – desde que esse crescimento seja feito de uma forma saudável, como tem vindo a ser», adianta Joana Liberal. Para isso, refere, «em primeiro lugar tem de estar sempre aumentar o negócio com os clientes atuais. Não descurar nunca os clientes atuais por um ou outro negócio que venha a acontecer».