Início Destaques

Pizarro ainda mais verde

A empresa especialista no acabamento de denim continua a investir em soluções sustentáveis. Além de ter adotado um processo que permite a reutilização de água, a Pizarro está também a apostar no método Wiser Wash, que elimina a pedra pomes e químicos tóxicos.

A sustentabilidade é uma preocupação que já faz parte da identidade da Pizarro. «Já fazemos essa aposta há muitos anos, desde 1992, quando implementamos a automatização das cozinhas de cor. Foi desde aí», garante Vasco Pizarro, diretor comercial e de marketing da empresa, ao Portugal Têxtil.

Contudo, a mais recente aposta da Pizarro, em contínua inovação, foi no método Wiser Wash, que é adotado por marcas como a Pepe Jeans. «Trata-se de um processo altamente sustentável. A maior diferença tem a ver com as cores base diferentes que conseguimos criar no denim. Já conseguimos adaptar a tecidos e a malhas e isso é muito importante», explica Vasco Pizarro. O método Wiser Wash, desenvolvido por Kevin Youn, além de eliminar a pedra pomes e químicos tóxicos, usa menos 90% de água face aos métodos tradicionais.

O diretor comercial e de marketing considera que as «apostas têm que ser sistemáticas. Não é adotar apenas um processo ou trabalhar apenas com uma máquina. Têm que ser apostas sustentadas para a empresa». Nesse sentido, ao longo dos últimos dois anos, a Pizarro implementou um processo que permite aproveitar a mesma água durante um mês. Vasco Pizarro revela que a água «depois de utilizada, em vez ser enviada para a estação de tratamentos, passa por um circuito em que é limpa e pode ser reutilizada outra vez. Ou seja, tirando a água que está nas peças molhadas, basicamente, reutilizamos a mesma água».

Inicialmente, o processo foi aplicado em metade das máquinas e a ideia é que, ainda este ano, seja aplicado em toda a empresa. «Chegamos agora à fase de extrapolar para o resto das máquinas. Prevemos que, adaptando isso a toda a empresa, principalmente na parte da lavandaria, porque está ligado à parte do denim, as poupanças sejam mesmo muito grandes, na ordem das centenas de milhões de litros de água por ano», antecipa.

Paralelamente, a especialista no acabamento de denim mantém a aposta no Concurso Paulo Ribeiro by Pizarro, que se prepara para entrar na quarta edição. «Temos sentido que há cada vez mais interesse. Houve um grande crescimento nas participações da primeira para a segunda edição, mas depois manteve-se nas cerca de 300 inscrições», indica.

Boas perspetivas para 2019

A exportar 90% do que produz, a Pizarro tem como principais mercados Espanha, Reino Unido, França e EUA. Contudo, é o mercado francês que se tem vindo a destacar. «Temos uma proposta de valor diferenciada. Estamos a trabalhar num sistema que não trabalhávamos até agora e isso ajudou-nos muito no mercado francês», justifica.

Segundo Vasco Pizarro, 2018 foi um ano de crescimento para a empresa e 2019 deixa já antever um cenário igualmente otimista. «O primeiro semestre ainda não acabou, mas está a correr muito bem», assegura.

Com um efetivo de 490 trabalhadores, a Pizarro está atualmente a trabalhar num «projeto novo, que exige a contratação de mais costureiras. Queremos crescer na nossa vertente de produto acabado e precisamos de costureiras novas. Temos 3 e precisamos de ter 15», adianta Vasco Pizarro.