Início Notícias Têxtil-Lar

Polopiqué entra em casa

A empresa, mais conhecida pela produção de tecidos e vestuário, está a entrar no universo dos têxteis-lar. A Polopiqué apresentou a sua primeira coleção nesta área na Heimtextil, onde fez a estreia absoluta de uma linha de bebé.

O novo departamento de casa da Polopiqué, a Home Division, conta cerca de um ano, mas a estreia oficial, pelo menos em feiras, aconteceu na recente edição especial da Heimtextil. «Há cerca de um ano, a Polopiqué resolveu fazer uma aposta mais forte na área dos têxteis-lar e criámos a nossa coleção interna, que fomos apresentando aos nossos clientes, a alguns colegas do mercado também, agentes e clientes que já trabalhavam connosco noutras áreas e a recetividade foi bastante interessante», explica Rosário Rodrigues, diretora de vendas desta área da casa da Polopiqué. «Começámos a trabalhar com projetos específicos com alguns desses clientes e outros novos que fomos angariando. Portanto, pareceu-nos que fazia todo o sentido, nesta altura do campeonato, participar na Heimtextil», acrescenta.

Rosário Rodrigues

As propostas da empresa vertical abrangem desde a mesa à cozinha, passando pelas mantas e o homewear. Em destaque está ainda a linha de bebé, que inclui roupa de cama, mas também vestuário para os mais pequenos. «É um conceito de termos toda a coleção», revela ao Jornal Têxtil.

Algodão orgânico e PLA são as fibras de eleição na coleção de bebé, enquanto os restantes produtos para a casa usam também linho e cânhamo. «Apostamos em produtos premium», realça a diretora de vendas, adiantando que, até tendo em conta a experiência da Polopiqué noutras áreas de negócio e a sua parceria com a Recover, «os reciclados, claramente, vão entrar na próxima coleção de têxteis-lar – temos de ter alguma coisa de reciclados, faz todo o sentido».

Esta área da casa está pensada para um segmento médio-alto, mas, afirma Rosário Rodrigues, «não quer dizer que não haja soluções para outros segmentos. É uma questão de se ajustar a qualidade e o preço do produto àquilo que é pretendido pelo cliente». A produção, de resto, é realizada em grande parte com recurso às valências internas da Polopiqué, com exceção dos felpos, que surgem na coleção porque «há clientes que gostam de nos comprar tudo», que são fabricados em subcontratação.

«Não queremos deixar de os servir e procurámos encontrar um parceiro que nos permitisse oferecer aos clientes aquilo que eles procuravam, com qualidade e preços razoáveis, que encaixassem e fizessem sentido», justifica Rosário Rodrigues. Aliás, sublinha, «este nosso projeto insere-se na diversificação de produto, mercado e clientes, mas bebe toda a filosofia da empresa». Uma filosofia que, descreve, se baseia em «testar, procurar oportunidades e, muitas vezes, criar oportunidades também. Às vezes, não é só ir ao encontro daquilo que os clientes precisam. Se calhar, mais do que isso, é apresentar-lhes aquilo que eles não sabem que precisam e criar oportunidades», destaca.

França, EUA, Austrália, Alemanha, Espanha, Canadá e Portugal são, atualmente, os mercados com os quais a Polopiqué está a trabalhar neste segmento dos têxteis-lar, que tem uma equipa com três pessoas. «Teve a ver com contactos que temos, com oportunidades que surgiram e começámos a explorar», reconhece a diretora de vendas. «Há clientes que trabalham connosco na área dos tecidos ou na área do vestuário e que, quando apresentámos o projeto na área dos têxteis-lar, ficaram interessados e estamos a trabalhar com eles também nesta área», admite.

A Heimtextil foi a primeira feira de têxteis-lar para a Polopiqué e, para já, não há previsões para outras participações. «Ainda estamos a ver como as coisas evoluem. Se calhar optamos por vir à Heimtextil e, depois, fazer visitas personalizadas aos clientes, porque acabam por ser mais cirúrgicas», antecipa Rosário Rodrigues.

O objetivo a curto prazo é «solidificar a nossa presença e queremos realmente – e foi esse o principal objetivo de vir à Heimtextil – encontrar clientes de outros mercados para começar a abrir novos mercados e atrair novos clientes», conclui a diretora de vendas da Polopiqué.