Início Notícias Têxtil

Portugal marca pontos na Ispo

A seleção nacional dos têxteis para desporto entrou no campo da Ispo Munich 2018 e deu uma goleada na inovação – 36 amostras no fórum Textrends e muitas mais nos stands.

A inovação já é intrínseca aos expositores nacionais presentes no certame, conhecida pelo Ispo Textrends e reconhecida pelos compradores.

Algumas novidades pareciam saídas da melhor obra de ficção científica, como o fio da Inovafil que possui duas funcionalidades que atuam de forma distinta – uma propriedade antiestática que, quando aplicada de uma forma, elimina a eletricidade estática e, quando aplicada de outra forma, transforma a energia solar em calor – ou a banda de aquecimento elétrica embebida num transfere por tecnologia eletrónica impressa desenvolvida pela Heliotêxtil.

«O sistema utiliza sensores de temperatura corporal, o que permite não só o ajuste fino da temperatura de conforto, mas também melhorar a sua autonomia. A solução foi instalada num casaco para ambientes extremos produzido pela Damel, que nos apoiou em todo o processo de confeção do demonstrador», revela o diretor de inovação David Macário.

A. Sampaio & Filhos/Miguel e João Mendes

Mas foram as malhas da Tintex e da A. Sampaio & Filhos que chegaram à distinção suprema de “Best Product”. «Acho que não mudámos muito os elementos que fazíamos, a diferença agora é que os tornamos mais visíveis. Ou comunicamos melhor. Não se trata de saber fazer, mas de fazer saber», assegura Miguel Mendes, responsável comercial da A. Sampaio & Filhos.

Mas as novidades “made in Portugal” foram muito para além dos fóruns e tops da feira de Munique, que decorreu de 28 a 31 de janeiro, e marcaram forte presença nos stands, visitados um a um pelo ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, mal refeito do périplo pela Heimtextil, duas semanas antes.

A Heliotêxtil apresentou transferes técnicos e interativos, etiquetas e emblemas com soluções tecnológicas para proteção de autenticidade e soluções para personalização de produtos. «Foi interessante ver como os visitantes reagiram à integração de tecnologia e novas funcionalidades que apresentámos para esses produtos», refere David Macário.

Carla Araújo (Joaps), Jorge Pereira (Lipaco), Sara Pinto (Joaps) e Henrique Silva (Lipaco)

As malhas da Joaps elevaram a performance para um novo patamar. «Tentámos aliar o conforto à funcionalidade do têxtil, à resistência, e introduzir novas fibras que oferecem características inovadoras e diferenciadoras. Para além da proteção ultravioleta ou antibacteriana, começamos a ver fibras que são não inócuas para a pele, como hidratantes ou com vitamina E», explica, ao Jornal Têxtil, Sara Pinto, que está a dar os primeiros passos na empresa familiar mas traz já na bagagem uma licenciatura em medicina.

LMA/Alexandra Araújo e a sua equipa comercial

Foi esse mesmo princípio que norteou as novas malhas usadas junto à pele da LMA, que incorporam fios de cerâmica, material reputado pelas excelentes propriedades de isolamento térmico. «Pode ser aplicada em leggings de compressão, para corrida, melhorando a performance do atleta», garante a CEO Alexandra Araújo. Já a Lipaco quer eliminar a prata das suas propostas antibacterianas e ainda desafiou os visitantes da Ispo a medir o grau de maciez, através do simples toque, de uma malha fabricada com um novo fio da empresa.

Motor da inovação no desporto, a Ispo Munich assume-se também com uma feira de carácter cada vez mais internacional, muito além dos países limítrofes da Alemanha.

Idepa/Lurdes Oliveira, Nuno Almeida e Ana Paula Pires

«Surpreendeu-me a afluência de visitantes franceses, italianos e americanos. No primeiro dia e meio de feira posso dizer que somei quase tantos contactos como nos quatro dias em edições anteriores, mais diversificados e mais interessantes. Nota-se que os visitantes vêm com propósitos bem definidos», indica o CEO da Lipaco, Jorge Pereira. «O cliente quando vem já sabe o que quer. Nós não vamos direcioná-lo, ao contrário do que acontece em feiras de moda. Aliás, tive duas situações em que traziam já um placard a dizer o que queriam», confirma Ana Paula Pires, diretora de marketing da Idepa.

Inovafil/Rui Martins e Pedro Martins

A feira foi também incubadora para novas ideias de negócios. «Estamos a explorar o mercado de peúgas, que requer muitas funcionalidades e procuram a diferenciação, na área da medicina e na área de desporto. Temos desenvolvido muito bons contactos», admite Rui Martins, CEO da Inovafil.

A maior feira dedicada ao desporto terminou com um novo recorde: mais de 2.800 expositores e 84.000 visitantes de 120 países.