Início Arquivo

Portugal soma e segue

As exportações do mês de Fevereiro mostram, de acordo com os dados tratados pela ATP, uma evolução positiva de 6,8% em relação ao mesmo período de 2007, situando-se nos 762,267 milhões de euros. Numa distinção por produtos, verifica-se que o maior crescimento em termos percentuais se registou nos tecidos especiais e tufados (mais 46,5%), seguidos pelos artigos de malha e lã, com uma evolução de 20,6 e 20%, respectivamente. Em termos de valor, o maior contributo continua a ser do vestuÁrio de malha e de tecido, que atingiu os 338,769 milhões de euros, tendo registado um crescimento de 11%, depois de em Janeiro ter jÁ apresentado um aumento semelhante (ver Boa escalada). Pela negativa, regista-se apenas a quebra nos artigos de seda (menos 57%), nos tapetes e outros revestimentos (menos 16%), nos outros artigos têxteis confeccionados (menos 7,3%) e nas outras fibras têxteis vegetais (menos 4,7%), tal como refere a associação. As importações mantêm igualmente a sua progressão, com uma evolução positiva de 5,3%, para os 600,834 milhões de euros. Este resultado deve-se sobretudo ao aumento relativo aos artigos de lã, que registaram um crescimento de 20%. Em termos de valor, as importações de vestuÁrio e acessórios de malha são a Área que mais contribui para este resultado, tendo-se verificado, em Fevereiro, importações na ordem dos 155,478 milhões de euros. Registou-se, no entanto, quebras significativas nas importações de diversos tipos de artigos, com destaque para os artigos de seda (menos 43,9%), tecidos impregnados (menos 15,3%) e especiais e tufados (menos 10,4%). Para a ATP, estes dados positivos vêm felizmente contrariar algumas expectativas pessimistas que se generalizaram no princípio deste ano», considerando que para este desempenho positivo contribuiu a mudança de perfil do tecido do sector, hoje claramente mais competitivo ». A associação sublinha ainda que, pela primeira vez desde hÁ alguns anos, o crescimento das exportações de têxteis e vestuÁrio portuguesas estÁ a superar o crescimento das importações, com resultados evidentes na balança de pagamentos, contribuindo para melhorar o seu saldo jÁ amplamente positivo», ao mesmo tempo que reforça a sua contribuição na balança de pagamentos do país.