Início Notícias Têxtil

Première Vision Paris em ebulição

Um aumento de 3% no número de expositores e a transformação do salão Manufacturing, dedicado à confeção, em quatro universos são algumas das novidades da próxima edição da Première Vision Paris.

Agendada para 12 a 14 de fevereiro, a Première Vision Paris contará com 1.777 expositores – um aumento de 3% face a fevereiro de 2018 – de 50 países, dos quais 161 se apresentam pela primeira vez. Portugal estará representado com um total de 65 expositores, divididos pelos vários espaços do salão, incluindo oito expositores nos fios, três nos acessórios e 33 nos tecidos. Sendo o salão uma referência nos tecidos, é a Première Vision Fabrics que concentra a maioria dos expositores – 795 no total, provenientes sobretudo de países europeus, mas também do Japão (43 expositores), China (30), EUA (cinco), Brasil (dois) e Egito (três).

Em crescendo está também o sector Sport & Tech, lançado em setembro do ano passado para destacar a oferta de materiais técnicos e de alta performance para a moda, que serviu de base para o lançamento do salão Première Vision Sport em Portland, nos EUA, anunciado recentemente pela Première Vision. Em fevereiro, fazem parte deste segmento mais de 1.280 expositores, incluindo 60 portugueses.

Produção de proximidade e além-mar

Contudo, segundo os números da organização, o maior aumento de expositores acontece no espaço Manufacturing, que contará com mais 46 empresas, num total de 190 expositores. Este espaço, de resto, estará em foco, já que apresenta novidades face às edições anteriores.

O Première Vision Manufacturing chama-se agora Première Vision Manufacturing – Proximity, uma área onde se encontram 12 expositores portugueses. «A área está relativamente estável nesta estação e geralmente mantém a sua quota de mercado, mas há países que estão a aumentar», revela Gilles Lasbordes, diretor-geral da Première Vision. «Os casos mais notáveis são Portugal e Marrocos, que estão a ter um bom crescimento, e a Turquia, que beneficia de um efeito positivo da taxa de câmbio, num contexto geopolítico delicado», aponta Lasbordes.

O Sourcing Connection foi rebatizado Première Vision Manufacturing – Overseas, dedicado ao aprovisionamento da região da Ásia-Pacífico, uma área que, destaca Yvan Dacquay, diretor deste espaço, «continua estável em termos de número de expositores, com uma forte presença indiana».

No Première Vision Manufacturing Knitwear estarão os expositores anteriormente presentes na Knitwear Solutions, incluindo as portuguesas Elmate e Montagut Industries – Orfama, e, por último, o Leather Manufacturing assume o nome de Première Vision Manufacturing – Leather.

«Para apoiar a estratégia iniciada em 2017 de melhorar a oferta de sourcing de confeção e responder melhor aos desafios dos compradores que procuram soluções de produção de vestuário, a Première Vision está a clarificar a sua oferta no Manufacturing, com um itinerário que agrupa o sourcing de proximidade, o sourcing além-mar, os produtores de malhas tricotadas e produção de moda em couro, que recentemente saiu da Première Vision Leather para o Hall 4», explica, em comunicado, a organização.

Laboratório de inovação

A Première Vision Paris inclui ainda a terceira edição do The Wearable Lab, um espaço que tem como objetivo apresentar uma seleção internacional de materiais, produtos e serviços «que são uma fonte de experimentação para a indústria da moda», refere a organização. “Augmented Man” é o tema deste ano, onde se irá explorar como o vestuário pode permitir ultrapassar as limitações humanas. O espaço com 1.000 metros quadrados instalado no hall 6 reúne igualmente a oferta de 17 expositores, divididos em três zonas: materiais inteligentes, tecnologias inovadoras e protótipos e laboratórios.

Entre os destaques desta edição da Première Vision Paris está também o programa de eventos paralelos, especialmente a conferência do Institut Français de la Mode (IFM) sobre o novo mapa do sourcing europeu, onde será ainda apresentado um estudo realizado a 100 retalhistas franceses em que se propõe uma nova geografia para o aprovisionamento.