Início Notícias Tecnologia

Procura alimenta produção de biopoliamida

Um novo acordo entre a Genomatica e a Aquafil prevê a expansão da produção de biopoliamida, com a construção de uma fábrica à escala de demonstração para produzir a maior quantidade de poliamida renovável de sempre. O objetivo é responder à procura crescente por parte das marcas.

[©Genomatica]

Com os consumidores a valorizarem cada vez mais artigos sustentáveis, as novas instalações permitem uma produção 50 vezes superior à atual, com as primeiras produções a deverem criar 50 toneladas de biopoliamida para utilização pré-comercial pelas marcas parcerias da Genomatica. O objetivo é responder às necessidades de produção até as fábricas de produção comercial estarem operacionais.

Em janeiro deste ano, as duas empresas anunciaram um acordo para produzir a primeira tonelada do precursor de biopoliamida 6 à escala piloto e face à procura, estão a avançar  para uma escala de demonstração superior à habitual.

«A biopoliamida está posicionada para substituir um material que é usado em milhões de aplicações todos os dias», explica Christophe Schilling, CEO da Genomatica. «As nossas pesquisas mostram que apesar dos problemas de saúde e económicos atuais, 56% dos americanos ainda querem marcas que deem prioridade à sustentabilidade. Com esta escala, a Genomatica está a oferecer às marcas parceiras uma forma de responderem aos seus objetivos de sustentabilidade, diferenciarem-se e responder ao aumento da procura do consumidor», revela.

A Genomatica e a Aquafil vão trabalhar em conjunto para «implementar e refinar as respetivas contribuições tecnológicas através deste programa de demonstração e para criar grandes quantidades de biopoliamida», refere o comunicado da Genomatica.

Christophe Schilling [©Genomatica]
A Aquafil vai construir e operar as operações a montante nesta fábrica de demonstração na Eslovénia, onde irá converter o precursor de base biológica da Genomatica em fios, filmes e plásticos de biopoliamida 6 de qualidade comercial. A produção será usada para desenvolver produtos aprovisionados de fontes renováveis, substituindo a poliamida tradicional que gera, segundo a empresa, 60 milhões de toneladas de gases com efeito de estufa todos os anos.

Sob o acordo, os volumes iniciais de ingredientes para a biopoliamida estarão disponíveis no segundo semestre de 2021.

A tecnologia da Genomatica, que foi reconhecida pela revista Time como uma das melhores invenções de 2019, baseia-se num processo de fermentação de açúcares de plantas para dar origem ao composto químico da poliamida-6, que posteriormente será usado pela Aquafil. A empresa italiana, uma das principais produtoras mundiais de poliamida 6, conhecida também pelos fios regenerados Econyl, foi a primeira a ingressar no programa da Genomatica, formando, em conjunto, o Projeto Effective, uma colaboração de várias empresas para produzir fibras e plásticos sustentáveis para uso comercial, a partir de matérias-primas renováveis e tecnologias de base biológica.

Deste projeto, que foi financiado pelo Horizonte 2020, fazem ainda parte mais 12 parceiros, incluindo a H&M, a Vaude, a Balsan e a Carvico.