Início Notícias Mercados

Produção de lã cresce este ano

A produção de lã na Austrália deverá aumentar em 2021/2022 comparativamente à época anterior, beneficiando de boas condições de pastoreio e de maiores rebanhos, numa altura em que, face à queda de popularidade dos fatos clássicos, os atores do sector procuram promover a diversificação das aplicações da fibra.

[©Unsplash-Daniel Morton]

O Australian Wool Production Forecasting Committee (AWPFC) atualizou a sua previsão de produção de lã, na época 2021/2022, para 314 milhões de quilos, um aumento de 6,5% sobre as estimativas de lã produzida em 2020/2021, que terá ficado pelos 294 milhões de quilos. «Alimentos abundantes no verão na maior parte das principais regiões de produção de lã, juntamente com um início antecipado na estação, continua a favorecer a criação de ovelhas e, respetiva, produção de lã», afirma Stephen Hill, o próximo presidente do conselho de administração da AWPFC, citado pelo Sourcing Journal.

O AWPFC revela que os criadores de ovelhas continuam a reconstruir os seus rebanhos, com um aumento esperado de 3,1% no número de ovelhas tosquiadas, para 69 milhões de animais, em 2021/2022. A quantidade de lã a leilão no final de março subiu 11,1%.

[©Wikimedia]
A primeira projeção da AWPFC de produção de lã para a época 2022/2023 é de 321 milhões de quilos, uma subida de 2,9% face à previsão para 2021/2022 graças ao aumento no número de ovelhas tosquiadas. Contudo, o número de ovelhas que deverão ser tosquiadas, à volta de 70,9 milhões de cabeças, mantém-se baixo (no percentil 20) e vai continuar a colocar um travão a maiores aumentos na produção de lã.

Em busca de novos mercados

Ao mesmo tempo, os atores da indústria laneira prosseguem a tentativa de abrir novos mercados através de atividades de marketing. Steve Noa, por exemplo, usou a sua experiência de três décadas na indústria da moda para lançar uma gama de polos em lã merino, com certificação Woolmark, que está a comercializar para empresas, clubes e indivíduos como uma alternativa natural aos polos de fibras sintéticas.

Reconhecendo a tendência para um estilo de vestuário mais casual no trabalho, o TheMerinoPolo de Noa pretende concorrer com os sintéticos não só em termos de qualidade, mas também de preço. «O local de trabalho como o conhecemos mudou dramaticamente», considera o empresário. «O vestuário de trabalho mudou de direção para um estilo muito mais descontraído. Claro que não é bom para o mercado de fatos de lã, mas a versatilidade da lã pode ver a nossa ótima fibra adaptar-se e ser bem-sucedida neste novo mundo. Espero que o meu novo TheMerinoPolo revolucione o universo laboral. É um polo versátil, com estilo, confortável e de alta qualidade fabricado numa das mais avançadas fábricas de vestuário em malha do mundo», explica.

TheMerinoPolo [©TheMerinoPolo]
A lã na atual gama de TheMerinoPolo foi comprada em Melbourne e Fremantle num leilão da Endeavour Wool. A fibra foi depois enviada para uma das mais modernas instalações de processamento de lã na China. A fiação foi efetuada na Xinao Textiles, uma empresa licenciada da Woolmark, e transformada em polos pela Diyang Merino Textile, também licenciada da Woolmark.

Os polos são produzidos com lã merino de 18,5 micra, fiada com 13% de poliamida para aumentar a durabilidade da peça. Os artigos, que podem ser lavados à máquina, estão disponíveis em cinco cores e vários tamanhos para homem e senhora.

Steve Noa pretende, em breve, lançar um polo ligeiramente mais pesado, em 100% lã merino de 18,5 micra, que pode ser usado em temperaturas mais frescas.

«O meu objetivo é fazer com que o maior número possível de negócios australianos use lã, criando assim, todos os anos, uma procura significativa para a fibra e construindo uma cadeia de aprovisionamento tangível para os produtores de lã», revela Steve Noa.