Início Arquivo

PV começa com pé direito

«Estivemos sempre ocupados», revelou a CEO da Lemar, Manuela Araújo, no final do primeiro dia da Première Vision, que abriu hoje as portas. A nova coleção da especialista em tecidos para beachwear conheceu um sucesso imediato no salão de tecidos parisiense, numa estação, a primavera/verão 2014, que é a sua por excelência. «A manhã começou relativamente tranquila mas, à medida que as horas foram passando, a afluência de compradores aumentou exponencialmente», explicou, por seu lado, Rita Fortes, diretora de marketing da Riopele, que veste nesta edição as hospedeiras da Première Vision, na sequência do convite formulado pela organização do salão de tecidos. A azáfama prolongou-se pelos stands da Adalberto Estampados (foto), Somelos Tecidos, Arco Têxteis, Teviz… Para além da oferta eclética pautada pelas irrepreensíveis qualidade e criatividade que são já apanágio dos tecidos “made in Portugal”, na base do sucesso dos expositores nacionais está igualmente uma imagem cada vez mais cuidada e original no interior do stand, já que a organização da Première Vision não permite qualquer “mancha” no seu imaculado exterior branco. A Teviz contínua a revolucionar a sua imagem, convergindo, tal como na edição passada, muitos olhares admirativos para as suas montras, onde desta vez estavam estacionados um Mini Cooper e uma Vespa. «É mais uma questão de imaginação do que de dinheiro», assegurou o diretor-geral, Rui Freitas, enquanto ajudava na montagem do stand, na véspera do salão, de berbequim na mão para colocar os ganchos que susteriam as amostras. «O Mini foi comprado no OLX por 50 euros e a Vespa é minha», exemplificou. Mas até nos mais ínfimos detalhes, Portugal deixa a sua marca. A Somelos Tecidos, por exemplo, tem na entrada do stand, à frente das cores da estação, uns “homenzinhos” de madeira vestidos com miniaturas de camisas confecionadas com as novas propostas da empresa, que são verdadeiros “must-have”. Uma estação à frente, a Gierlings Velpor oferece já uma preview dos veludos e pelos que vão ditar a moda invernal. «Trata-se de uma espécie de antecipação daquilo que será a coleção do outono-inverno 2014/2015», explicou o diretor comercial João Teixeira Duarte. Os destaques da especialista em estruturas tridimensionais são os veludos estampados digitalmente e os veludos jacquard, resultantes da revolução, mais uma, tecnológica levada a cabo pela empresa pertencente ao grupo Amorim e que Constantino Silva, diretor-geral da Gierlings Velpor, explica em primeira mão na edição deste mês do Jornal Têxtil. Também a pensar na estação fria, mas dos fios, a Tearfil apresenta na Expofil «novos fios de fantasia com fibras dentro do nosso vasto e eclético portefólio. Também exploramos cada vez mais técnicas de fiação que diferenciam o produto final, seja a malha ou a peça acabada», afirmou Ricardo Lemos, administrador do grupo António de Almeida & Filhos, que detém a empresa de fiação. Em destaque na Première Vision Pluriel, estão ainda os acessórios “made in Portugal” – com a presença da Idepa e da Gracil na ModAmont –, assim como a confeção nacional, com a A.J. Gonçalves, Inarbel, JVP, Raith, Squarcione, F. S. Baby e Amertrade Têxteis a mostrarem o seu potencial e know-how na Zoom by Fatex. «O objetivo é consolidar alguns dos clientes já existentes e alargar a nossa abrangência», explicou José Armindo Ferraz, administrador da Inarbel «Somos uma empresa industrial capaz de produzir em private label qualquer peça de vestuário para criança, homem ou senhora», concluiu.