Início Notícias Vestuário

Qualidade de ouro na Ispo

A Ispo Munich celebrou, este ano, as bodas de ouro, casando a sustentabilidade e o desporto, entre 26 e 29 de janeiro. Apesar da quebra do número de visitantes que ocuparam os corredores da feira para conhecer as novidades dos 2.850 expositores, a perceção geral da presença portuguesa é de que a qualidade esteve acima da quantidade.

Miguel Crespo, Tânia Mutert Barros, Braz Costa, Eurico Brilhante Dias, João Correia Neves, Augusto Lima e Mário Jorge Machado

«Parece-me que estamos a ter menos afluência de visitantes, mas, em termos de qualidade, a feira mantém-se ou está até ligeiramente melhor», confessou Pedro Fiúza, diretor comercial da A. Fiúza & Irmão (hall B3), ao Portugal Têxtil. A produtora de meias entrou na nova década com o pé direito, apresentando seis novidades sob o mote “Sustentabilidade com Performance”, desde peúgas produzidas a partir do reaproveitamento do desperdício, até ao tingimento 100% natural e meias com fios biodegradáveis que incorporam um chip para leitura do tempo de uma prova de atletismo. «Acima de tudo, o nosso objetivo não é só a angariação de novos clientes, mas fortalecer a relação com os nossos [atuais] e fidelizá-los cada vez mais», reforçou.

Pedro Fiúza

Do outro lado, no pavilhão C1, esta perceção manteve-se. Alexandra Araújo, administradora da LMA argumentou que «a Ispo é, sem dúvida, a feira que mais nos interessa». Tendo em conta que «estamos todos a apregoar a sustentabilidade, [julguei que, em 2020,] as pessoas iriam ficar em casa para não gastar tanto combustível. Estou contente, acho que a feira está bastante interessante para a LMA, com os nossos clientes a visitarem-nos e alguns novos». A empresa viajou de Rebordões até Munique para propor uma coleção em cru, toda branca, sem quaisquer químicos adicionados, evitando, assim, a contaminação da água, pelo processo de tingimento. «Todos os clientes que conhecem bem um processo produtivo, dão-nos os parabéns e afirmam ser uma grande ideia», revelou.

Para os estreantes, o balanço geral também foi positivo, apesar do prognóstico final ainda estar por definir. «Não tenho termo de comparação, sendo o nosso primeiro ano a expor. Para já parece estar a ser dentro daquilo que eram as nossas expectativas», declarou Rui Lopes, responsável de exportação da Lunartex. Na sua primeira abordagem à feira internacional de desporto, a empresa deu a conhecer um cordão eco-friendly, produzido com um fio tinto em massa, uma forma de tingimento que reduz o consumo de água.

Alexandra Araújo

A par da Lunartex, estrearam-se também a Jway, Lusosocks, Confetil, Ditchil, Gormarti, Scorecode Têxteis, Sidónios Knitwear, Sports Partner, Sockapro, Novelty Waves/Van der Waal e Outthere Sports.

De Portugal seguiram um total de 40 expositores: 27 empresas nas duas ilhas Sport Textile Village from Portugal, organizadas pela Associação Selectiva Moda em parceria com o Citeve, presentes no pavilhão C1 (materiais, confecionadores e acessórios) e no pavilhão B3 (moda desportiva e peúgas). Além destas, outras empresas portuguesas apostaram na sua visibilidade, através de stands individuais, numa oferta que abrangeu desde o vestuário, peúgas e calçado desportivo, malhas e acessórios têxteis até ao equipamento de surf e pavimento desportivo.

Portugal viaja até Munique

Além das duas ilhas já habituais, a parceria quis reforçar o tema da sustentabilidade com o iTechStyle Green Circle. Situado no centro do pavilhão C2, o showcase constituiu-se por 15 peças de vestuário desportivo de várias empresas nacionais que recorreram a tecidos, técnicas e processos responsáveis.

Rui Lopes

Por outro lado, a 50.ª edição assistiu a um aumento do número de amostras selecionadas no concurso Ispo Textrends 2020 para 24, exibindo produtos têxteis inovadores, materiais e acessórios para o desporto. A A. Sampaio esteve na linha da frente com um total de nove amostras – quatro das quais chegaram ao top10 –, a Gulbena Têxteis respondeu por sete, a LMA com seis e, finalmente, a RDD e a Tintex Textiles com uma cada.

A convite da ATP – Associação Têxtil e Vestuário de Portugal, a ISPO reservou o dia 27 de janeiro para a visita de uma comitiva portuguesa, onde se incluíam os secretários de Estado da Economia e da Internacionalização, João Correia Neves e Eurico Brilhante Dias, para conhecerem presencialmente as mais recentes inovações do sector. «Este ano, as questões em torno da inovação e da sustentabilidade são fundamentais» e «as empresas portuguesas demonstram estar na linha da frente», afirmou Eurico Brilhante Dias ao Portugal Têxtil.

Miguel Mendes

«Obviamente que o mercado está a fazer mudanças muito significativas», mas «estamos com muita confiança de que vamos continuar a ter o sector têxtil, do vestuário e do calçado com pujança, com empresas muito boas, alinhadas com as preocupações de sustentabilidade e, com certeza, oferecendo produtos de enorme qualidade – que é aliás uma visão que já todos têm da indústria portuguesa», revelou, por sua vez, João Correia Neves.

De Munique para o mundo

O 50.º aniversário da feira internacional recebeu um total de 80 mil visitantes – menos 200 do que no ano anterior – provenientes de 120 países, com maior destaque para Alemanha, Itália, Áustria, França, Suíça, Reino Unido e Rússia. O número de visitas fora do espaço alemão registou uma subida de um ponto percentual relativamente a 2019, atingindo os 70%, potenciado pelo crescimento da afluência de franceses, japoneses, sul coreanos e neozelandeses.

De acordo com um estudo realizado pela empresa de estudos de mercado Gelszus Messe-Marktforschung, 45% dos visitantes inquiridos acreditam que a feira alemã irá continuar a ser relevante para o sector do desporto. «Plataformas como a Ispo Munich desempenham um papel-chave no lançamento de iniciativas e parcerias que elevam os níveis de consciencialização sobre os consumos sustentáveis dos recursos do nosso planeta», considera Mark Held, presidente do Grupo de Outdoor Europeu (EOG, na sigla original), em comunicado.

A próxima edição já está programada para os dias 28 a 31 de janeiro de 2021, em Munique.