Início Arquivo

Quando volta Tom Ford?

O sucesso gera inveja. Os comerciantes alemães do segmento premium de moda para homem querem mais. «Não imaginam a quantidade de vezes que perguntam por Tom Ford», afirma Peter Mohrmann, director-geral da Ermenegildo Zegna Alemanha. Peter Mohrmann tem esta informação uma vez que os italianos detêm a licença de produção da tão ansiada linha de homem do designer. Os dois conhecem-se da altura da Gucci e Yves Saint Laurent e actualmente a Zegna produz ambas as colecções. Parece não existir qualquer problema por um fato custar 2.000 euros. Os artigos de luxo ajudam o sucesso dos negócios e a experiência comprova isso mesmo. Os bestseller são os artigos originais, audazes e com características diferentes. O tempo em que os homens usavam todos o mesmo, sempre com as mesmas formas e cores, está totalmente ultrapassado. Os homens estão mais livres, emanciparam-se e gostam de comprar. O comércio anseia por novos nomes e por novos temas. Existem imensos artigos e é necessário mostrar aos clientes que existe a possibilidade de os surpreender em cada época. Quais os sucessos da última temporada e os que se avizinham para o próximo Verão? Como as tendências têm vindo a indicar os artigos com uma vertente desportiva registam um aumento da procura, mas são artigos desportivos de luxo. Trata-se de jeans, cintos, casacos outdoor, sweatshirts e t-shirts de marca e que exibem originalidade. Quais são as marcas mais procuradas? Quem ocupa o lugar cimeiro da lista de vendas? O mais fácil será começar pelos jeans pois é onde existe unanimidade. A marca Seven for all mankind continua a ser o número em termos de volume de negócios. O denim é mesmo o elemento mais forte em termos de calças, não tendo grandes opositores. As calças no segmento casualwear são o seu concorrente mais directo. No que respeita aos casacos existe uma grande diversidade: casacos outdoor, blusões curtos, parkas e pequenas gabardinas e sobretudos. Todos com grande sucesso. No sportswear surge frequentemente a marca La Martina. A realidade mostra que os consumidores gostam de algo fora do normal e personalizado o que é uma vantagem para o comércio que consegue assim margens consideráveis. Relativamente ao vestuário mais formal os nomes apontam para Prada e Dolce & Gabbana. Outro facto é o papel que os acessórios desempenham e que é cada vez mais significativo. Entre estes o destaque vai para o calçado e cintos e também neste caso os consumidores estão dispostos a desembolsar valores como 299 euros por pequenas peças de designers. Os objectos pequenos também podem trazer muito dinheiro.