Início Arquivo

Recorde de vendas nos Estados Unidos

Encorajado por um aumento de 4% nas vendas naquele que é tradicionalmente o dia mais movimentado do ano, o Secretário do Tesouro Público Paul O’Neill, declarou que a economia dos Estados Unidos estava a recuperar. Alguns economistas previram que as vendas poderiam aumentar 4% ou mais na passada Sexta-feira, o dia a seguir ao feriado do Dia de Acção de Graças. Havia preocupações em relação à confiança dos consumidores, que já abalados pelo abrandamento da economia, foram também atingidos pelos ataques do dia 11 de Setembro aos Estados Unidos. «O número que eu vi esta manhã, indicava que as vendas na Sexta-feira após o feriado subiram 4% em relação ao ano passado,» disse O’Neill. «Isso não me soa como sendo somente uma semana de consumo», acrescentou ainda. Os gastos de consumo chegam a cerca de dois terços da economia dos Estados Unidos e oficiais da Casa Branca impulsionaram os consumidores a continuar a comprar apesar das preocupações criadas pelos ataques com aviões comerciais, e onde morreram milhares de pessoas a 11 de Setembro. O maior retalhista do mundo, a Wal-Mart anunciou um recorde de vendas na passada Sexta-feira de cerca de 1.25 mil milhões de dólares (284 milhões de contos), tendo afirmado ainda que os consumidores continuaram a visitar a cadeia de lojas no Sábado. O’Neill disse que a economia voltou novamente à fase de recuperação que ele acredita que se vivia já antes do 11 de Setembro. «Eu acho que se olharmos para o dia 10 de Setembro, nós estávamos numa fase de recuperação, e eu acho que voltámos novamente a essa fase» afirmou ele. Paul O’Neill afirmou ainda que espera que a economia americana recupere logo no início do próximo ano, e que esse crescimento continue ao longo do ano 2002. «Eu acho que vamos ver uma recuperação da economia dos Estados Unidos a começar no início do próximo ano e a crescer à medida que o ano vai avançando», afirmou. A Secretaria de Estado do Tesouro não diria, mesmo que acreditasse, que a economia estava em recessão. A mesma posição foi assumida pelo principal conselheiro económico da Casa Branca, Lawrence Lindsey. Questionado acerca da recessão, Lindsey afirmou «eu não sei. É uma questão estatística. E não vamos saber durante muitos meses.» A economia americana encolheu cerca de 0.4% no terceiro trimestre, a primeira vez que o Produto Interno Bruto (PIB) contraiu desde 1993. A recessão é geralmente definida como dois trimestres sucessivos de crescimento negativo. O National Bureau od Economic Research, que decide as datas oficiais das recessões, reuniu-se para determinar se a maior economia do mundo terá realmente deslizado para uma. O National Bureau of Economic Research não lançou ainda os resultados da discussão. Paul O’Neill repetiu o seu pedido ao Congresso, para um pacote de estímulos no sentido de ajudar a garantir que a economia volte ao normal e criticaram o Senado do Partido Democrático por não legalizarem a proposta do Presidente George W. Bush, de um pacote de 75 mil milhões de dólares (17 mil milhões de contos). «O Senado demorou muito tempo para responder ao pedido do presidente por um pacote de ajudas estimulante». O’Neill afirmou ainda que espera que os senadores «vão finalmente chegar a acordo» para tomar uma posição em relação ao pacote ainda esta semana, quando regressarem das suas férias do Dia de Acção de Graças. Quando questionado sobre algum tipo de acordo por parte do Senado, ele respondeu «bem, eu acho que poderá haver uma resposta ao pedido do presidente.» O líder democrático do Senado, Tom Daschle disse que o Senado irá votar na proposta ainda antes do Natal. «Nós temos que o fazer. É esse o nosso desejo,» disse ele. «Nós vamos tentar deixar este trabalho feito.»