Início Arquivo

Reestruturação na Cacharel

Reconhecidos pela criação dos invulgares estampados Liberty, a dupla de estilistas Mark Eley e Wakako Kishimoto – proprietÁrios da marca Eley Kishimoto –, acabou de ser dispensada da direcção criativa da Cacharel. O acordo foi amigÁvel, mas lamentamos porque sentimos que temos a Cacharel no nosso sangue, e teria sido óptimo se tivéssemos tido mais tempo para expressar a nossa visão», afirmou Mark Eley ao jornal Women’s Wear Daily, citando uma guerra da visão criativa» como o principal motivo para o sucedido. A dupla tinha assumido as suas funções hÁ dois anos – mais precisamente em Novembro de 2006 – tendo apresentado a sua última colecção, no passado dia 29 de Setembro na Semana de Moda de Paris, onde conjugaram um passado de sucessos da marca, com um futuro promissor (ver Cura de rejuvenescimento). Reflectindo a ideia de duas pessoas que dividem o seu tempo entre Tóquio e Londres, apostÁmos num tema invulgar mas, que na nossa opinião, define na perfeição toda uma linha de indumentÁrias, isto é, os pÁssaros migratórios», salientaram os estilistas, aquando do desfile. Numa passerelle recheada de patos brancos e nuvens, que eram reflectidos nas telas de cetim branco e azul-celeste e no crochet branco sobreposto a um céu azul de primavera, foi apresentada uma colecção fresca e original, que apostou sobretudo numa sinfonia de blusas femininas de Verão, casacos quadrados ao melhor estilo dos anos 60 e ainda calças amplas. De igual forma, jovens modelos percorreram a passerelle, na sua maioria descalças, numa retrospectiva clara da paixão e dedicação da Cacharel pelas telas “Liberty”. Para a próxima estação, a marca apresentarÁ igualmente as suas próprias telas desenhadas em exclusivo pela estilista Wakoko Kishimoto. Os pÁssaros – tema da colecção – apareceram também em acessórios distintos, como brincos ou mesmo alfinetes. O espírito da Cacharel não mudou. E, com esta colecção, isso ficou comprovado, porque voltamos a apresentar uma linha sensual e jovem, dedicada a mulheres que apreciam modernidade mas com uma certa dose de simplicidade», salientou Jean Bousquet, fundador da marca que ajudou a revolucionar a moda feminina com as suas propostas inovadoras para a época, onde se salientava uma certa energia poética. Tudo começou nos anos 60, num movimento que se desenvolveu nas ruas e que era destinado a uma juventude divertida e que procurava originalidade nas indumentÁrias. Deste modo, começamos a desenvolver colecções frescas, alegres e coloridas. é bom verificar que, apesar de todas as mudanças que ocorreram no mundo desde a criação da Cacharel, a marca contínua a evoluir e a ocupar um lugar de destaque no mercado do vestuÁrio e acessórios dedicados ao segmento feminino», revelou Jean Bousquet. Para uma marca que se aproxima do seu 50º aniversÁrio, estas mudanças parecem surpreendentes, uma vez que a Cacharel parecia ter encontrado uma equipa de designers que realmente procurava reflectir o melhor da marca. No entanto, em comunicado, a Cacharel fez questão de salientar que esta serÁ apenas mais uma nova etapa para uma marca em pleno rejuvenescimento».