Início Arquivo

Rhodia expande-se para a América do Sul

Atingida por um forte crescimento na indústria têxtil brasileira, a especialista em nylon Rhodia Poliamida tenciona tomar uma grande parte do mercado da América do Sul num futuro próximo. A Rhodia Poliamida, faz parte de um grupo químico francês, Rhodia, irá gastar 70 milhões de euros para expandir as suas capacidades locais que produzem fios industriais e têxteis. A empresa brasileira também fabrica intermediários do nylon que são usados na produção do nylon. Poliamida é um outro nome que se dá ao nylon. A Rhodia é a segunda maior empresa mundial fabricante de nylon depois do grupo americano DuPont. No Brasil, contudo, a Rhodia está em primeiro lugar no ranking com 40% da quota de mercado. Rhodia Poliamida planeia produzir 40,000 toneladas métricas até 2005. Em Março, a empresa irá inaugurar a sua primeira fase de expansão, aumentando as suas capacidades de 27.000 para 30.000 toneladas métricas. Apesar das suas exportações não terem excedido os 5% do total de rendimentos em 2002, a Rhodia Poliamida tem fortes ambições para o mercado da América do Sul. Os carregamentos para países estrangeiros podem atingir 10% do total de lucros em 2002. O grupo já gastou cerca de 70 milhões de euros em investimentos desde 1998 até 2001. Para ter algum lucro, o mercado Sul Americano deve aumentar de 3% a 5% por ano até 2005, explicou um director de topo do jornal brasileiro, Valor Econômico. O mercado atingiu 434 milhões de euros em 2001, ou cerca de 105 mil toneladas. Só o Brasil produziu 75 mil toneladas de fibras de nylon no passado ano. A empresa brasileira espera atingir 173 milhões de euros em vendas até 2005, em comparação com os rendimentos esperados para este ano de 134.58 milhões de euros. Contudo, as actividades podem vir a ser confrontadas com a crise na economia da Argentina. Graças à desvalorização da moeda brasileira, o real, as exportações têxteis brasileiras para a Argentina aumentaram nos passados dois anos. A recente queda da moeda argentina, o peso, poderá restringir as exportações brasileiras e limitar o aumento no mercado têxtil brasileiro. Devido ao abrandamento económico mundial, a Rhodia apresentou esta semana um decréscimo nas vendas na sua divisão global de Polyamide. O decréscimo deu-se principalmente devido à depreciação do Real (-4,1%), mas também devido a uma descida de 6,5% nos volumes enquanto os preços subiram 1,5%. A Rhodia Polyanmide sofreu principalmente com a queda de 16,6% nas vendas de nylon têxtil no mercado americano.