Início Notícias Moda

Ricardo Preto da ModaLisboa a Manila

Viajou para Lisboa com o regresso marcado. Os próximos meses serão passados nas Filipinas, onde assumiu o papel de diretor criativo de todas as marcas privadas dos grandes armazéns Rustan’s. Em setembro, inaugura a primeira loja monomarca na cidade de Manila. A bagagem de Ricardo Preto não trouxe apenas a coleção.

Desde 2016, Ricardo Preto desenha as coleções Ricardo Preto exclusively for Rustan’s e U by Ricardo Preto for Rustan’s, assim como os acessórios para as duas linhas dos grandes armazéns filipinos. Tudo somado, saem da Europa para a Ásia 14 toneladas de roupa por estação.

«Nos últimos anos, tenho vendido para seis grandes armazéns e vamos abrir agora as primeiras boutiques monomarca – em nome próprio, Ricardo Preto – na Ásia», revelou, nos bastidores da ModaLisboa, ao Portugal Têxtil. O primeiro ponto de vendas abre portas em setembro de 2018, na cidade de Manila. «Estávamos em grandes armazéns, entretanto, fizemos duas pop-ups em espaços de high brand e as pop-ups tiveram um sucesso imenso», acrescentou o designer.

A par da responsabilidade das inaugurações, Ricardo Preto viu, de novo, o seu trabalho reconhecido quando foi nomeado diretor criativo de todas as marcas privadas do grupo Rustan’s. «É muito desafiante o que estou a fazer lá», afirmou.

No entanto, o talento do designer português não conhece fronteiras, estando prestes a assumir o papel de diretor criativo de uma marca italiana e, em casa, tem uma loja própria no papel. Sem desvendar mais pormenores sobre as ligações italianas, adiantou que «mais uma ou duas estações» e Portugal terá uma loja Ricardo Preto. «Tenho o meu atelier sempre cheio, preciso até de selecionar para ter capacidade de resposta», justificou.

Enquanto vai dando corpo a todos estes projetos, na recente escala em Lisboa, Ricardo Preto celebrou a “sua” silhueta.

Para a coleção outono-inverno 2018/2019, o designer fez uma retrospetiva e dedicou-a a todas as suas musas.

«Faço este ano 12 anos de ModaLisboa e, quando comecei, estava preocupado em mostrar uma silhueta, em me destacar dos meus colegas, em apresentar o meu lifestyle. Agora, ao olhar para trás, percebo que a minha marca tem um ADN e foi exatamente isso que fiz nesta edição – revisitar os meus 12 anos de trabalho como designer de moda», elucidou sobre um alinhamento de peças fluidas, florais e femininas, numa paleta de azul, vermelho e verde.