Início Arquivo

Rip Curl desliza nas ondas do sucesso

Com um volume de negócios que deve rondar os 125 milhões de euros em 2007-2008, a Rip Curl pode deleitar-se com um crescimento sem falhas. Regular e sustentado, este crescimento atinge os 10% por ano há já quatro anos e as encomendas anunciam-se promissoras, devendo aumentar 15% no próximo Outono/Inverno. A marca "desliza nas ondas do sucesso" e deseja impor-se como uma das líderes incontestáveis do surf, afirmando os seus valores e estimulando a inovação sem que para isso esqueça o respeito pelo ambiente.Sustentada pelo surfwear (mais 15% para as colecções de homem, senhora e criança), o crescimento da Rip Curl não é travado pelo mountainwear que aumentou 5% nas encomendas, apesar do clima deste Inverno ter sido muito ameno. Estável em França (mais 10%), a progressão a dois dígitos é marcante nos países do sul da Europa. Este crescimento atingiu mais 20% em Espanha e em Portugal, assim como na Itália. Mesmo os países nórdicos, onde a Rip Curl está menos implantada, são pontos dinâmicos (mais 30%) para a marca.Descobrindo o potencial desta parte da Europa, a Rip Curl instalou aí a RC Nórdica, uma nova filial localizada na Suécia e dirigida pela actual equipa sueca desde 1 de Julho. às oito filiais existentes, veio juntar-se também uma filial suíça, liderada por Hervé Wagner, que veio da sociedade Sport Concept, e que distribui a marca há muito no território suíço.Multiplicando os avanços, a Rip Curl quer estar à cabeça do pelotão das marcas de surf e afirmar a sua liderança técnica. Com 290.000 boardshorts vendidos dos quais 25.000 a 30.000 STL (a última criação da marca), a sua performance nos fatos de banho técnicos fica bem demonstrada. Quanto aos acessórios (óculos e relógios), a sua vitalidade é flagrante (mais 20%).Outro eixo de desenvolvimento é a "Girls Division", as colecções femininas reagrupadas. Com um aumento de 50% nas vendas de swimwear e de 60% de boardshorts, a comercialização dos produtos dedicados às mulheres registou um crescimento de mais de 20%. Para não estagnar, a Rip Curl aposta em grandes investimentos no marketing e na chegada de novos elementos. Raquel Perez, a futura directora da filial espanhola, vai juntar-se aos estilistas séniores e a um responsável dos produtos destinados às mulheres. Materiais biológicosUma outra etapa de crescimento tão prometedora como lucrativa: a Rip Curl Planet, um label ecológico que se aproveita do sucesso mediático das marcas "verdes" mas não só. Longe de ser oportunista, a marca compromete-se a sustentar um dos 12.000 programas de protecção ambiental da WWF. Os recifes de coral do Pacífico Sul e do Oceano Indico encontraram, assim, o apoio da Rip Curl, que investiu também na parte social onde «o consumo de energia vai ser reduzido em 20% ao longo de dois anos», declara Olivier Cantet, presidente da Rip Curl Europa. T-shirts em algodão biológico, utilização de energia renovável e papel reciclado para todas as impressões… Os eventos organizados pela marca fixam-se também no "verde".A linha ecológica da Rip Curl, a Rip Curl Planet, vai estender-se também a todas as famílias de produtos, até à gama visualmente muito forte "Artists of the Search", que acolhe o trabalho muito gráfico do inglês Jon Burgerman e do americano Hersk para o vestuário biológico. Por outro lado, a empresa deseja realizar 15% das suas vendas com os produtos biológicos até 2008, 25% em 2009 e 40% em 2010. Cerca de sessenta referências têm pelo menos 55% de materiais ecológicos e 33 referências com 100% algodão biológico, das quais 18% referentes a t-shirts Rip Curl. O biológico vai eclodir na Primavera/Verão 2008.